Educação

Voluntários e agentes tentam diminuir número de jovens fora das escolas

Em todo o Brasil, existem cidadãos que se dedicam a resolver um problema enorme do País. Essas pessoas discutem ideias e agem para diminuir o número de crianças e adolescentes que estão fora da escola.

Yasmim chega à escola pela primeira vez. A menina de três anos tem deficiência auditiva e queria estudar. “E hoje foi o dia dela, e ela está muito feliz”, diz Viviane Bezerra, mãe da Yasmim. Promover a inclusão das crianças com deficiência nas escolas é prioridade em Salgueiro, no sertão de Pernambuco.

Há quatro anos, George entrou na escola e a vida dele mudou. “Ele se tornou uma criança mais alegre, mais compreensiva”, afirma Francisca Silva Cruz, da mãe do George.

Para superar a barreira da exclusão que impede que crianças com deficiência possam frequentar a escola, primeiro é preciso saber quantas são e onde estão estas crianças. A colaboração veio dos agentes comunitários de saúde, que batem de porta em porta.

Um total de 3,3 milhões crianças e adolescentes estão fora das escolas em todo o país. A situação é mais grave na faixa de 15 a 17 anos, que tem o menor índice de permanência.

Fonte: Gazeta de Alagoas