Éshow!

Há quase meio século de luta e nós ainda sobreviveremos á muito mais.

Apesar de tanto não, tanta dor que nos invade, somos nós a alegria da cidade.

Dia 28 de Junho é dia Mundial do Orgulho LGBTI (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e pessoas intersex.

Há cinquenta anos ás mobilizações de ruas buscam de alguma forma orientar os seres humanos, mostrando a valorização da vida como um todo. Sim porque indiferente de tudo que se acredite estamos tratando com seres humanos. Pessoas como eu , como você, homens e mulheres que vivem dentro do mesma sistema de vida e governo.

O respeito á orientação sexual ao próximo, é algo que de fato ainda precisa ter muitos avanços á frente. Mais durante quase meio século de repressão podemos afirmar que aos poucos os grupos estão começando á serem inseridos de forma correta na sociedade.

Hoje um jovem de 17 anos por exemplo já assume de forma mais rápida sua orientação perante á família e a sociedade. Há 20 anos atrás, ás pessoas escondiam de todos e se escondiam também. Eram como seres mutantes, que encontravam seus amigos e parceiros á maioria em guetos, feito refugiados e reprimidos de seus próprios sentimentos.

Não acho que a sociedade tenha uma dívida eterna como tem com os negros, mais poderíamos como, darmos menos importância se o outro gosta de homens ou mulheres, para nós de modo geral não importa.

Que diferença isso causa na vida do outro? Acredito que pessoas bem resolvidas consigo mesmas, não somente respeitam como apoiam  que o outro sua vida, que ele desfrute de sua felicidade da melhor forma possível.

Cada dia mais percebemos que os papéis na sociedade tomam rotas diferente, ninguém pode ser taxado de menos inteligente ou mais produtivo, simplesmente pelo que carrega entre ás pernas. Você deve ser avaliado pelo potencial, por sua capacidade produtiva de agregar valores á sociedade e não por suas orientações religiosas ou sexuais.

 Embora tenhamos muita á evoluir devemos sim acreditar que uma hora entraremos no consenso, que tudo bem não apoiamos pelo outro ser diferente, mais que isso pra mim não difere. O que importa é que você bem consigo mesmo, dentro daquilo que te faz bem.

Entendendo á história: 

Dia 28 de Junho é dia Mundial do Orgulho LGBTI (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e pessoas intersex), data celebrada e lembrada mundialmente, que marca um episódio ocorrido em Nova Iorque, em 1969. Naquele dia, as pessoas que frequentavam o bar Stonewall Inn, até hoje um local de frequência de gays, lésbicas e trans, reagiram a uma série de batidas policiais que eram realizadas ali com frequência.

O levante contra a perseguição da polícia às pessoas LGBTI durou mais duas noites e, no ano seguinte, resultou na organização na 1° parada do orgulho LGBT, realizada no dia 1° de julho de 1970, para lembrar o episódio. Hoje, as Paradas do Orgulho LGBT acontecem em quase todos os países do mundo e em muitas cidades do Brasil ao longo do ano.

Infelizmente, a perseguição, discriminação e as violências contra pessoas por causa de sua orientação sexual ou identidade de gênero – real ou percebida – não acabou. No relatório ”Making love a crime”, a Anistia Internacional mostra que em 38 países da África, a homossexualidade é criminalizada por lei, e ao longo da última década houve diversas tentativas de tornar estas leis ainda mais severas.

Ativistas pelos direitos LGBTI em Uganda ainda estão lutando contra a tentativa de aprovação da chamada “Lei Anti-Homossexualidade”, que propõe até mesmo a pena de morte para o crime de “homossexualidade agravada”, e que criminaliza qualquer um que não denuncie pessoas “envolvidas na homossexualidade”. Propostas similares foram aprovadas em países como o Sudão do Sul, Burundi, Nigéria, Libéria, Mauritânia e Somália nos últimos anos.

Pequenas conquistas, grandes lutas:

Casamento em muitos países já é aceito.

O direito de está em qualquer lugar e poder encontrar o outro e manifestar sua felicidade já é aceitável.

Não estamos mais á mercer da sorte ou escuridão, pois o caminho das sombras agora brilha em todos os lugares.

Olhar o outro e sorrir quando reconhece que ele é como você sem medo de que outras pessoas possam pensar ou achar.

Coisas bobas que se olharmos pra trás, muito significa no agora, mais à luta não para, ela segue principalmente na cabeça de cada um de nós, na conscientização individual de sua aceitação pessoal como você é e não como á sociedade queria que fosse.

“E não importa quanto de nós morram por sor suas orientações, nós sobreviveremos á muitos mais. Á quantidade de vitima do atentado de Orlando(EUA) não intimida nossa existência, nossos valores e causas.”

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=fCR0ep31-6U[/youtube]

E ás mobilizações não param:

Ceará do Meu Orgulho – II Festival do Orgulho LGBT do Estado do Ceará – 3 de Julho às 16hs | Praça Verde.

• 3 de Julho – A partir das 16h
• Praça Verde – Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura
• Evento Gratuito

Um mar de cores e diversidade irá dominar a Praça Verde do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, no domingo, 3 de Julho, na segunda edição do Festival do Orgulho LGBT do Estado do Ceará “Ceará do Meu Orgulho”.

Pelo segundo ano consecutivo a Coordenadoria de políticas LGBT da Secretaria de Direitos Humanos do Estado do Ceará, em parceria com o Vereador Paulo Diógenes, com a Coordenadoria de Políticas LGBT da Secretaria Municipal de Direitos Humanos de Fortaleza e o fórum Fortaleza Acolhedora (Que reúne artistas, produtores e profissionais do mercado GLS de Fortaleza), realizam um festival para mostrar todas as cores da diversidade sexual de nosso estado no entorno do Dia Mundial do Orgulho LGBT.

Serão várias horas de apresentações, performances, shows, DJs com sets especiais, e muita festa para celebrar a luta e o movimento que nunca cessa em contrapor o amor ao ódio institucionalizado.

Recomendado para você