Éshow!

Pela terceira vez, Forbes elege Miguel Setas, da EDP, como um dos melhores CEOs do Brasil

Pela terceira vez, Forbes elege Miguel Setas, da EDP, como um dos melhores CEOs do Brasil

A revista Forbes escolheu o presidente da EDP, Miguel Setas, como um dos melhores CEOs do Brasil em 2018. Pela terceira vez, o executivo foi reconhecido pela publicação, uma das mais importantes da imprensa brasileira e internacional.

Ele foi o único CEO do setor elétrico selecionado entre os 15 líderes mais respeitados por especialistas das principais consultorias e de algumas das melhores escolas de administração e negócios do mundo. A revista destaca que o presidente é um dos responsáveis por triplicar o valor de mercado da Companhia e está à frente de projetos inovadores, como a robotização de processos, além de liderar o novo ciclo de crescimento da Empresa, focado em Transmissão e Soluções em Energia.

No Ceará, a EDP é responsável pela UTE Pecém I, sediada no município de São Gonçalo do Amarante. Em operação desde 2012, a Usina gera 370 empregos diretos e 1.053 empregos indiretos. A atividade da termelétrica foi responsável pela transformação do Ceará de estado importador em exportador da energia elétrica.

“Esse resultado é fruto do trabalho de toda a equipe da EDP e dos nossos parceiros de negócio, a quem agradeço pelo entusiasmo com que, diariamente, fazem a nossa operação acontecer de forma inovadora, sustentável e competitiva”, afirma Miguel Setas.

Com mais de 20 anos de atuação, a EDP é uma das maiores empresas privadas do setor elétrico a operar em toda a cadeia de valor. A Companhia, que tem mais de 10 mil colaboradores diretos e terceirizados, atua em Transmissão, Comercialização e Soluções em Energia, e possui 15 unidades de geração hidrelétrica e uma termelétrica. Em Distribuição, atende cerca de 3,4 milhões de clientes em São Paulo e no Espírito Santo. Recentemente, adquiriu participação na CELESC, em Santa Catarina. No Brasil, é referência em áreas como Inovação, Governança e Sustentabilidade, estando há 12anos consecutivos no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3. Possui valor de mercado de cerca R$ 9 bilhões, três vezes mais do que em 2005, quando abriu seu capital em bolsa.

Há dez anos no País, o executivo português comanda a EDP Brasil desde 2014 e, desde 2015, integra o conselho mundial do grupo EDP.