Categorias para Âncora Comunicação – Laura Bandeira

Segundo o Ministério da Saúde, a doença aumentou cerca de 60% no Brasil. Alimentação livre de gorduras saturadas e exercícios físicos por 5 horas semanais ajudam a prevenir ou lidar com o problema, que atinge sobretudo mulheres e pessoas acima de 65 anos O diabetes capilariza-se no Brasil. Segundo o último levantamento “Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico” (Vigitel), realizado pelo Ministério da Saúde entre 2006 e 2016, a doença aumentou cerca de 60% entre os brasileiros nesse período – a fatia corresponde a 9% da população nacional. A alta incidência também deve-se ao fato de que o diabetes pode manifestar-se de diversas maneiras: diabetes tipos 1 e 2, diabetes gestacional e diabetes associados a outras patologias, a exemplo das pancreatites alcoólicas. Pesquisadores apontam que os típicos hábitos da vida moderna e o envelhecimento da população são responsáveis pelo problema. Alimentação hipercalórica, e inadequada, e sedentarismo levam ao ganho de peso e à obesidade, principal fator de risco para o diabetes tipo 2, explica a endocrinologista Ana Flávia Torquato. “A idade é outro fator de risco importante, embora estejamos observando um aumento significativo de diabetes e outras doenças metabólicas em indivíduos mais jovens”, pondera a professora do curso de Medicina da UniChristus. Ana Flávia atenta para o fato de que práticas simples e acessíveis tanto previnem o problema – mais prevalente entre mulheres, público cuja faixa de vulnerabilidade à doença tem início aos 40 anos, e pessoas acima de 65 anos – como ajudam portadores a lidar com ele. “Uma alimentação saudável e balanceada, rica em frutas, verduras, vegetais, fibras e grãos integrais, gorduras insaturadas e proteínas magras pode preveni-lo. Para quem já tem diabetes, mudar a alimentação traz enormes benefícios. A perda de peso complementa o tratamento e pode inclusive levar à remissão em alguns casos.” Atividade física regular com duração de 2h30 por semana, tempo recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), com complementação de atividade aeróbica e exercício resistido, como musculação, chegando a um total de 5 horas semanal de exercícios é também um aliado na luta contra o diabetes. Para quem está sedentário e acha a meta ideal difícil de alcançar, a médica sugere que se inicie aos poucos, realizando caminhada 3 vezes por semana. Diabetes é tendência mundial O relatório Vigitel apontou que o diabetes vem tendo prevalência expressiva em diversos países. Ana Flávia reforça o aumento da obesidade e da expectativa de vida como responsáveis pelo cenário internacional. “Observou-se uma mudança no tipo de doença que mais mata a população, deixaram de ser infecciosas e passaram a doenças crônicas, como infarto do coração e diabetes mellitus.”