Esporte Radical

Billabong Rio Pro começa nesta quarta-feira no Postinho

Melhores surfistas do mundo se apresentam a partir das 7 horas na Barra da Tijuca logo no primeiro dia do prazo da etapa brasileira do WCT que vai até o dia 19 no Rio de Janeiro

 

Slater e Teco Padaratz. Foto: Daniel Smorigo / ASP

Slater e Teco Padaratz. Foto: Daniel Smorigo / ASP

Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ) – Com a previsão de boas ondas se confirmando na capital carioca, o Billabong Rio Pro 2013 começa nesta quarta-feira no Postinho da Barra da Tijuca. A primeira reunião da comissão técnica foi marcada às 6:30 horas, com provável início da competição, às 7 h, com uma triagem para definir o último participante da etapa brasileira do WCT. Na sequência, os melhores surfistas do mundo fazem suas primeiras apresentações no terceiro desafio do ASP World Tour 2013. Os vencedores das baterias passam direto para a terceira fase, mas os desclassificados têm uma segunda chance de classificação na repescagem.

Hoje, 7,  alguns concorrentes ao título da etapa brasileira do WCT participaram da primeira coletiva de imprensa do Billabong Rio Pro e do Colgate Plax Girls Rio Pro na Barra da Tijuca, apresentada por um dos organizadores, o ex-top da elite, Teco Padaratz. O atual campeão mundial, Joel Parkinson, o líder do ranking Kelly Slater, o brasileiro, Adriano “Mineirinho” de Souza, Carissa Moore, Sally Fitzgibbons e Courtney Conlogue, vão brigar pela liderança do ranking do ASP Tour no Rio de Janeiro. Silvana Lima completou a mesa como única representante do Brasil na elite feminina do ASP World Tour.

 

Julian Wilson (AUS). Foto: Daniel Smorigo / ASP

Julian Wilson (AUS). Foto: Daniel Smorigo / ASP

O atual campeão mundial, Joel Parkinson, falou sobre o momento inédito que vive esse ano, participando das etapas do ASP Tour 2013 como defensor do título. “No ano passado deu boas ondas aqui no Postinho, pegamos bons tubos, mas para mim é quase tudo normal. O título ficou no ano passado e começamos a temporada do zero, então é continuar o trabalho de concentração e dedicação para conseguir os resultados”, disse Parko, que deu a arrancada para o título mundial de 2012 no Billabong Rio Pro, com o vice-campeonato na final contra John John Florence. O havaiano está contundido e não veio defender o título no Brasil.

No ano passado, pelo mesmo motivo, foi Kelly Slater quem não competiu no Brasil. O onze vezes campeão mundial foi o principal alvo das perguntas dos repórteres e atendeu a todos pacientemente, com longas respostas, ficando ainda para as exclusivas com as TVs e entrevistas dos outros jornalistas que compareceram em grande número na coletiva de imprensa. Slater parecia feliz, relaxado, falou sobre vários assuntos e foi o último atleta a deixar a sala.

 

Gabriel Medina (BRA). Foto: Daniel Smorigo / ASP

Gabriel Medina (BRA). Foto: Daniel Smorigo / ASP

O maior ídolo do esporte em todos os tempos, foi perguntado sobre os confrontos com os brasileiros, principalmente Adriano de Souza, com quem já fez até final e perdeu a última delas, em Portugal. “Nós vemos todos falarem do Gabriel Medina, que chegou com tudo no WCT, ganhando etapas, mas o brasileiro a ser batido no circuito é o Adriano (de Souza). Ele é sempre o mais bem colocado no ranking até agora e nós já tivemos alguns duelos muito bons. Uma particularidade dele é que não desiste nunca e sempre dá bastante trabalho para os adversários. No começo ganhei algumas dele, mas depois ele foi dando o troco, me venceu também. A final em Portugal acho que foi a mais marcante, porque tinha altas ondas em Supertubos, o mar estava clássico e ele venceu”.

Mineirinho também destacou esse como um dos melhores confrontos com Slater. “Acho que nos meus três primeiros anos na elite só perdia pra ele, mas fui aprendendo com as derrotas, ganhando experiência e sempre me espelhando no surfe dele (Kelly Slater), sua maneira de surfar, de competir, até que consegui ganhar também algumas baterias. Acho que a vantagem ainda é dele, apesar de que tem outros adversários também muito difíceis de bater no Tour, como o próprio Joel Parkinson, o Mick Fanning, entre outros, enfim, o grupo atual da elite é muito forte”.

 

Gabriel Medina (BRA). Foto: Daniel Smorigo / ASP

Gabriel Medina (BRA). Foto: Daniel Smorigo / ASP

Adriano vem de um resultado incrível, uma vitória inédita na etapa mais tradicional do ASP World Tour, em Bells Beach, na Austrália. Com o título, assumiu a quarta posição no ranking e está na briga direta pela liderança no Billabong Rio Pro. Ele já venceu a primeira edição deste mesmo evento no Rio de Janeiro em 2011, quando assumiu o posto de número 1 no ranking mundial pela primeira vez. E este feito pode se repetir agora, se Mineirinho conseguir outra vitória na etapa brasileira do WCT no Rio de Janeiro.

“Foi realmente muito importante pra mim e pro surfe brasileiro vencer lá em Bells”, destacou Adriano de Souza. “Foi a primeira vitória de um brasileiro em mais de 50 anos de história deste evento. Só o Teco (Padaratz) tinha feito uma final em Bells, com o Damien Hardman. E eu enfrentei grandes adversários, como o bicampeão mundial Mick Fanning e o Jordy Smith que estava muito bem no campeonato, por exemplo. Estou bem treinado, confiante, então espero conseguir surfar bem aqui também, mas sei que o caminho até a final é muito difícil pelo nível técnico de todos os adversários, que é bastante alto”.

Filipe Toledo (BRA). Foto: Daniel Smorigo / ASP

Filipe Toledo (BRA). Foto: Daniel Smorigo / ASP

ASP WOMEN´S TOUR – Já as meninas falaram sobre a acirrada disputa do título mundial que terá mais um capítulo decisivo no Colgate Plax Girls Rio Pro, cujo prazo também começa nesta quarta-feira, mas só vai até o dia 14, enquanto o masculino prossegue até 19 de maio. A havaiana, Carissa Moore, é a líder do ranking, seguida de perto pela australiana, Tyler Wright, e a norte-americana, Courtney Conlogue. A defensora do título da etapa brasileira do WCT, Sally Fitzgibbons, é a quarta colocada e a última com chances de brigar pela ponta do ranking na capital carioca.

Na outra ponta da tabela, a brasileira, Silvana Lima, tenta entrar na zona de classificação para o WCT 2014. A cearense é a esperança da América do Sul continuar representada na elite das top-16 do ASP Womens Tour. Para isso, quer aproveitar a chance de competir no Brasil para subir no ranking, pois tem que terminar o ano entre as dez primeiras colocadas para permanecer no grupo das melhores surfistas do mundo. No momento é a 12.a colocada.

“Eu me sinto bem confortável aqui no Rio, já morei aqui por sete anos, então conheço bem o mar, as ondas, e tem a torcida também que vai estar toda na praia. Espero fazer um bom resultado, com certeza”, disse Silvana Lima, que falou sobre ser a única sul-americana da elite no Colgate Plax Girls Rio Pro. “Pois é, a Sofia (Mulanovich, do Peru), está querendo se aposentar, está cansada depois de tantos anos no circuito, é uma pena. Mas, espero continuar representando sim a América do Sul no WCT. Temos essa e mais duas etapas para isso e vou lutar até o fim”.

TREINOS LIVRES – O mar baixou um pouco na terça-feira, mas as ondas entravam com boa formação para o último dia de treinos livres no Postinho. A previsão é voltar a subir nesta quarta-feira para o início do Billabong Rio Pro na Barra da Tijuca. Muitos surfistas aproveitaram para testar as pranchas, conhecer melhor o local da competição e principalmente surfar. Entre eles, todo o “Brazilian Storm” do WCT, como os paulistas Adriano de Souza, Gabriel Medina, Filipe Toledo e Miguel Pupo, o catarinense Alejo Muniz e o carioca Raoni Monteiro. Também se destacaram alguns estrangeiros, como o australiano Julian Wilson e o americano Patrick Gudauskas, um dos substitutos dos atletas contundidos que não vieram para o Brasil esse ano.

NOVE BRASILEIROS – Além do sexteto verde-amarelo da elite mundial, mais três brasileiros vão participar o Billabong Rio Pro 2013. O cearense Messias Félix como convidado da organização da etapa brasileira do WCT, pelo título de melhor surfista do país que conquistou no circuito nacional do ano passado. O campeão estadual do Rio de Janeiro, Gustavo Fernandes, ganhou uma vaga dos tops que estão contundidos e tiveram que cancelar suas participações no Rio de Janeiro. E o último nome para completar o grupo dos 36 participantes sairá de uma bateria especial a ser disputada às 7 horas na quarta-feira, antes da primeira fase do Billabong Rio Pro.

TRIAGEM PELA ÚLTIMA VAGA – O catarinense, Willian Cardoso, que substituiu muito bem o contundido Miguel Pupo nas etapas da Austrália, inclusive derrotando Kelly Slater em Bells Beach, é um dos participantes desta triagem. Ele vai disputar a última vaga com um surfista indicado pela Billabong e dois cariocas, Jerônimo Vargas representando a Associação de Surf da Barra da Tijuca e Simão Romão pelo Arpoador Surf Club.

SOBRE O BILLABONG RIO PRO – O Billabong Rio Pro é a etapa brasileira do Circuito Mundial de Surf patrocinada pela Billabong. O evento é apresentado pela Prefeitura do Rio de Janeiro e pela RIOTUR, com patrocínio da Colgate Plax, parceiros Oficiais Bony Açaí e Água Bioleve, apoio da Monster Energy, Federação de Surf do Estado do Rio de Janeiro (FESERJ), Associação de Surf da Barra da Tijuca, Arpoador Surf Club e Favela Surf Club e realização da GEO.

SOBRE A GEO – A GEO é a plataforma de eventos das Organizações Globo. Dedicada à promoção e realização de eventos de esportes, entretenimento e negócios, a GEO tem como objetivo criar oportunidades para as pessoas se encontrarem, se conectarem e se divertirem.

SOBRE A BILLABONG – A Billabong é uma marca australiana fundada em 1973 pelo surfista e shaper Gordon Merchant e por sua esposa, Rena Merchant. Apaixonados pelo lifestyle da cultura surf, foram os inovadores do mercado de boardshorts. No Brasil desde 2000, pelo Grupo GSM Brasil, a Billabong se destaca como uma das principais representantes dos esportes de ação.

TRANSMISSÃO AO VIVO E REDES SOCIAIS:
Billabong Rio Pro – http://wctbrasil.com/rio13
Facebook – www.facebook.com/WCTBrasil
Twitter – BillabongProBr
Instagram – wctbrasil

PRIMEIRA FASE DO BILLABONG RIO PRO – 1.o=Terceira Fase / 2.o e 3.o=Repescagem:
1.a bateria: Josh Kerr (AUS), Alejo Muniz (BRA), Patrick Gudauskas (EUA)
2.a: Adriano de Souza (BRA), Matt Wilkinson (AUS), Yadin Nicol (AUS)
3.a: Taj Burrow (AUS), Sebastian Zietz (HAV) e 1 wildcard (convidado)
4.a: Mick Fanning (AUS), Filipe Toledo (BRA) e 1 wildcard
5.a: Joel Parkinson (AUS), Miguel Pupo (BRA) e 1 wildcard
6.a: Kelly Slater (EUA), Kieren Perrow (AUS) e 1 wildcard
7.a: Julian Wilson (AUS), Travis Logie (AFR), Glenn Hall (IRL)
8.a: Gabriel Medina (BRA), Damien Hobgood (EUA), Dusty Payne (HAV)
9.a: Jeremy Flores (FRA), Nat Young (EUA), Raoni Monteiro (BRA)
10: Jordy Smith (AFR), Kai Otton (AUS), Adam Melling (AUS)
11: Michel Bourez (TAH), Bede Durbidge (AUS), Brett Simpson (EUA)
12: C. J. Hobgood (EUA), Adrian Buchan (AUS), Kolohe Andino (EUA)

PRIMEIRA FASE DO COLGATE PLAX GIRLS RIO PRO – 1.a=Terceira Fase / 2.a e 3.a=Repescagem:
1.a bateria: Lakey Peterson (EUA), Bianca Buitendag (AFR), Rebecca Woods (AUS)
2.a: Sally Fitzgibbons (AUS), Paige Hareb (NZL), Sage Erickson (EUA)
3.a: Carissa Moore (HAV), Silvana Lima (BRA) e a convidada do evento
4.a: Tyler Wright (AUS), Malia Manuel (HAV), Phillipa Anderson (AUS)
5.a: Courtney Conlogue (EUA), Laura Enever (AUS), Alize Arnaud (FRA)
6.a: Coco Ho (HAV), Alana Blanchard (HAV), Pauline Ado (FRA)

Fonte: Assessoria de Imprensa Billabong Rio Pro e ASP  – João Carvalho

 

Recomendado para você