Estrela Polar

Animais Fantásticos traz um mensagem para a juventude LGBT

Animais Fantásticos e Onde Habitam foi lançado em Novembro de 2016. No filme, vemos o Mundo Bruxo antes dos acontecimentos dos livros de Harry Potter. Mas parece que JK Rowling deixou uma mensagem importante para a juventude LGBT. Veja detalhes…

Em um artigo, a escritora Emily Browne conta como Animais Fantásticos manda a mensagem aos gays. É importante avisar que se você não assistiu ao filme, teremos um grande spoiler do filme. Então pense bem, antes de continuar aqui no blog! 🙂

O filme mostra as aventuras de Newt Scamander pelo Mundo Bruxo da América, mais especificamente em Nova York. Nós conhecemos alguns problemas daquele momento (o filme se passa em 1926), como os estragos do bruxo das trevas Grindelwald. E um exemplo simples do que acontece quando um bruxo tem que suprimir a magia dentro de si.

E é aqui que começam os SPOILERS!

Durante os acontecimentos, conhecemos Credence Barebone, interpretado por Ezra Miller. Ele é membro do sinistro Second Salem, um grupo semi-religioso anti-bruxo que tenta expor o Mundo Bruxo.

Credence é filho adotivo da líder do grupo, Mary Lou Barebone (Samatha Morton). O rapaz é abusado e repreendido durante toda sua vida, fazendo dele um jovem medroso e tímido. Tão vulnerável que se deixar ser aliciado pelas falsas promessas e afeição de Percival Graves (Colin Pharrel).

Nós só descobrimos que Credence possui poderes bruxos no final do filme, quando Graves conta que ele é um Aborto (um mágico sem habilidades). Traumatizado pela traição de Percival, ele se revela como o Obscurus, que tem aterrorizado Nova York.

O ser Obscurus é apresentado no começo do filme, quando Newt comenta que um deles está guardado em sua mala. Então, revela-se que um Obscurus é criado quando um bruxo ou mago é forçado a suprimir seu poder.

O suprimento do poder sobrecarrega o ser humano, criando uma mortal e maligna força que eventualmente mata o hospedeiro. A maioria dos Obscurus não vivem além de sua infância. Por isso, a revelação de Credence se torna uma enorme surpresa, mas também a causa dele ser tão destrutivo.

O Obscurus é uma metáfora para o “Armário”

O conceito do Obscurus é, na verdade, evidente. Ao longo dos anos, JK Rowling esteve envolvida em muitos atos de altruísmo, para com diversas comunidades, especialmente a LGBT.

Quase todo LGBT foi reprimido em algum ponto de sua vida. Geralmente, essa repressão acontece na infância. Na verdade, o armário é um modo de se proteger de quem não entende sua condição, ou mesmo quem pode te ferir por ser quem você é. Exatamente, a relação de Credence com sua família.

 

O problema é que geralmente estar no armário pode ser destrutivo, não só para você mesmo, como para quem se aproxima de você. Muitos estudos mostram que taxa de jovens LGBT com depressão é alta, e 30 a 40% da comunidade já tentou suicídio.

A história do personagem de Ezra mostra que quando a personalidade e amor de alguém é suprimido, somente coisas ruins podem acontecer. Infelizmente, Credence não teve um final feliz, porque muitos LGBT também não tem.

Não é a primeira vez que a J.K. utiliza uma metáfora no universo do Harry Potter. De fato, os Potterheads continuam a encontrar semelhanças com vários cenários da vida real. Como por exemplo, o racismo sofrido pelos sangue-mestiços e a analogia da HIV de Remus Lupin.

Quando Dumbledore saiu do armário foi um lindo gesto de homenagem da autora para a comunidade LGBT. Porém, ter a história de Credence contada dessa forma tão forte tem um enorme significado.

“Se Harry Potter nos ensinou algo. É que ninguém deveria viver num armário.”

Recomendado para você