“Anitta é o melhor exemplo da decadência cultural do Brasil”, diz Marco Antonio Villa

1710 4

O historiador Marco Antonio Villa e a cantora Anitta (Foto: Divulgação)

O novo sucesso de Anitta, “Vai Malandra”, desagradou o historiador Marco Antonio Villa, comentarista da Jovem Pan, que toca os sucessos da funkeira com frequência. Na manhã desta terça-feira, 9, em uma participação no “Jornal da Manhã”, ele fez duras críticas à música, ao clipe e à artista.

Para ele, “Vai Malandra dá nojo” e “Anitta é o melhor exemplo da decadência cultural do Brasil”.

“Nós vivemos uma decadência cultural. É inquestionável, inegável. A ignorância se transformou em política oficial. Quanto mais medíocre melhor. Eu pego como exemplo essa moça. A cantora Anitta é o melhor exemplo da decadência cultural do Brasil. A música ‘Vai Malandra’ e o vídeo são uma das coisas mais racionárias que eu vi na minha vida. A desqualificação da mulher é um absurdo. Não vou chamar de versos na letra, que seria exagero. Ela está com uma bota com a bandeira do Brasil”, criticou Villa.

“Observe que há toda uma mercantilização do corpo da mulher e uma idealização da favela, que é favela mesmo, não é comunidade. É favela. Nós não podemos pelo nome transmudar, através de uma palavra, uma vergonha nacional, que é a existência das favelas. As pessoas não podem morar naquelas condições de vida terríveis, naquele espaço marcado pelo crime, não pode. As pessoas têm que morar em condições adequadas. Morar ali é impossível, e não há meio de reformá-las. O vídeo dá nojo, dá asco. Chamaram isso do ‘novo hino nacional brasileiro”, completou.

Recentemente, o colunista do jornal O Globo Nelson Motta fez uma matéria onde ressalta a importância de Anitta para o Brasil. Para ele, a funkeira se tornou a artista do momento e atingiu um alto patamar de sucesso ao longo de 2017.

“Anitta é a artista do momento, a mulher do ano, sucesso internacional, embora muitos ainda a chamem de “funkeira”, pejorativamente, para confiná-la em uma favela musical. Mas por que ela também incomoda tanto? Não tem voz! Gritava a velha guarda quando João Gilberto apareceu há 50 anos, em defesa das “grandes vozes” da Rádio Nacional. Gritaram de novo com Anitta, mas sua participação impecável na abertura das Olimpíadas, a convite de Caetano Veloso e Gilberto Gil, além do aval dos mestres, calou as bocas e encheu os ouvidos com uma voz doce, afinada e suingada”, disse o colunista.

“Quem se proporia o desafio de lançar um clipe por mês durante um ano? E mais: com ótimas músicas em português, espanhol e inglês, de bossa nova eletrônica a reggaeton e funk de favela, filmados da Amazônia ao Vidigal, com Anitta enlouquecendo o Brasil com seu biquíni de fita isolante. Nunca um artista brasileiro foi tão longe e tão alto no mundo ultracompetitivo do pop internacional. E ela está só começando”, continuou o global.

4 Comentários

  • FRANCISCO MARCOS disse:

    concordo em numero ,genero e grau!!

  • Samuel disse:

    Esse que exalta a Anitta já cai em descredito quando se termina esse texto com as palavras; “…continuou o GLOBAL.”

    Marco Antonio Villa, tá coberto de razão.

  • Aderaldo Júnior disse:

    Estamos em decadência cultural faz tempo, ela é só mais uma deste famigerado comercialismo decadente da arte, não foi comercial, não foi vendável, não serve, infelizmente ela está ganhando o dinheiro (muito dinheiro) dela de modo honesto, mesmo vendendo produto ruim, mas o povo brasileiro não liga, já que entendi mais de futebol do que dos seus direitos, esperar o que?

  • João Ricardo disse:

    Só queria saber o queria diria o grande Ariano Suaçuna. Anitta, tá surfando nas desgraças em que estamos metido. Se nossa história da MPB acabasse hoje, ela estaria riscada.
    Não conheço nada dela´por isso falo pouco, como também, falo
    de muitos medíocres, mas conheço muito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *