Futebol do Povo

Ceará venceu o Atlético-GO jogando bem; William foi mal e falou bobagem

1059 15

william

Foi um time totalmente diferente das partidas contra o Paraná e América-MG. Neste sábado o Ceará jogou de forma bem mais intensa, organizada, com movimentação e buscou o ataque durante os 90 minutos. Não por acaso foram 30 finalizações na vitória por 2×0 sobre o Atlético-GO, no PV, média de uma tentativa a cada três minutos. É bastante coisa.

Dois terços das finalizações do Ceará foram de fora da área. Atitude inteligente do time diante do muro que o Atlético-GO tentou fazer, mas sob o olhar de um público pouco superior a cinco mil pagantes até mais importante do que jogar bem era ganhar na estreia em casa na Série B. Melhor para a equipe que ocorreram as duas situações: uma atuação convincente e os três pontos, gols de Uillian Correia e Marinho no segundo tempo, justamente em bonitos chutes de longa distância.

Quem esteve fora do contexto foi o atacante William. Além de perder três boas oportunidades para marcar, resolveu partir para a pior estratégia: bater de frente com a torcida que, com razão, reclamou dos gols perdidos. Já escrevi e falei sobre isso muitas vezes: torcedor não é obrigado a apoiar o time e os jogadores o tempo todo. E “cornetar” é do jogo. É da vida do atleta de futebol ter que encarar isso. Se há insatisfação dos torcedores a manifestação precisa ocorrer, não com violência, evidente, mas com senso crítico. Ao dizer que tinha informações de que a torcida do Ceará apenas incentivava e que, na verdade, só reclama, o atacante se perdeu em verdades absolutas que não existem.

Em tempo: continuo entendendo que William pode render no Ceará e não há falta de empenho. Por enquanto ele não vai bem e se complicou reclamando sem motivo de quem não tem qualquer responsabilidade, mas acontece, talvez estivesse nervoso com ele próprio e descontou em quem não devia. São apenas quatro gols em 21 jogos, 12 destes como titular.