GIRO LUSÓFONO

Por que há tantos porquês?

Quem nunca ficou na dúvida de quando usar o porque junto ou o por que separado? Com acento ou sem acento? Difícil, né? E é por essas e outras que a língua portuguesa tem a fama de complicada e cheia de exceções.

Em nosso idioma, existem quatro formas de usar o porquê: por quepor quêporque porquê. Mas afinal, quando é que se usa cada uma? Qual é a regra? Há algum dica?

De maneira simples e objetiva, entenda quando empregar cada uma das conjunções e deixe o medo para trás.

Por que
Separado e sem acento: serve para fazer perguntas! Sempre que ele vier no início ou no meio de uma frase interrogativa, escreva separado e sem acento, sempre. Ex.: Por que você não foi à faculdade hoje? Tu não foste à faculdade hoje por que, jovem?

Por quê
Separado e com acento: também utilizado para perguntas, diferencia-se do anterior devido ao fato do porquê vir no final da frase. Isso mesmo, a única razão, a grosso modo, de ele ser separado e com acento é porque vem no final da frase. Ex.: Hoje, é feriado em Fortaleza por quê?

Porque
Junto e sem acento: serve única e exclusivamente para respostas. Ex.: A festa foi ótima porque foi bem organizada.

Porquê
Junto e com acento: para muitos esse é o mais complexo dos casos, mas calma, tudo tem solução. A maneira mais fácil de saber quando usá-lo é ficar atento e descobrir a hora em que ele tem o sentido de motivorazão ou causa. Ou seja, quando ele vier substantivado – como a gramática chama. Ex.: Qual o porquê de não ter aula hoje? Por causa do feriado.

Recomendado para você