GIRO LUSÓFONO

Confira lista de insultos cultos, de A a Z, para não perder a classe numa discussão

No último dia 21 de março, o Brasil recebeu uma “aula” de como discutir e insultar alguém sem perder a elegância e a pompa. Na ocasião, os ministros Luís Roberto Barroso e Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), desentenderam-se e lançaram ataques um contra o outro.

“Me deixe de fora desse seu mau sentimento. Você é uma pessoa horrível”, disse Barroso em reação às críticas feitas por Gilmar sobre decisões incorretas feitas por ele, na opinião do ministro. “O senhor é a mistura do mal com o atraso e pitadas de psicopatia”.

Em seguida, Barroso disse, em tom de exaltação: “Qual é a sua ideia, a sua proposta? Nenhuma, nenhuma, nenhuma. É bílis, ódio, mau sentimento, mal secreto, é uma coisa horrível”.

Confira uma lista de insultos cultos, de A a Z, retirados do Dicionário Brasileiro de Insultos, para não perder a elegância em uma discussão.

Abantesma: assombração, figura que assusta, espectro. Pessoa cuja presença causa desconforto, repugnância. Vem do grego phántasma.

Bonifrate: boneco articulado e movido para representar cenas. Pessoa dócil que age comandada por outro. Fantoche. A origem do termo é nebulosa, mas parece que seja derivada do latim: bonus + frater – bom irmão.

Concupiscente: pessoa que tem desejo irrefreável pelo gozo. Luxurioso, lascivo. Essa ânsia pode ser por bens materiais ou pela posse sexual. Ou por ambas simultaneamente. Um concupiscente é voraz, tarado. O conhecimento exato do termo, em alguns ambientes sociais, pode transformá-lo em elogio. A palavra é latina.

Dendroclasta: destruidor de árvores, agressor da natureza. Do grego dendron – árvore – e klatos – quebrado.

Espurco: sujo, sórdido, torpe, que vive na espurcícia. Vale para o indivíduo que aprecia a imundície e se apresenta imundo. Usa-se, ainda, para a pessoa moralmente suja. “Nasceu e cresceu num chiqueiro moral e é tão espurco quanto o meio onde vive.”

Futre: do francês froutre. Homem desprezível, vil. Pode, também, ser sinônimo de avarento.

Grasnador: indivíduo que fala com voz desagradável, que grasna como o corvo ou o pato.

Histrião: no antigo teatro romano o histrione era o comediante que representava farsas. Designa o sujeito ridículo, farsante, palhaço ou charlatão. “Foi eleito, mesmo sendo um histrião ou, talvez, por isso.”

Intrujão: se um sujeito que se aproxima de um grupo e finge participar de seus valores e atividades com o objetivo de enganar os seus membros e obter vantagem para si próprio está cometendo uma intrujice. “Quem iria desconfiar daquele intrujão golpista? Ele parecia o mais bonzinho de todos…”

Jacobeu: nome dado ao partidário de uma seita fanática que apareceu em Portugal no século XVIII. Acabou designando um sujeito hipócrita, falso.

Liliputiano: baixinho como os habitantes de Lilipute. Em As Viagens de Gulliver, o escritor inglês Jonathan Swift (1667-1745), descreve um país imaginário, Lilliput, onde tudo era muito pequeno, inclusive os seus habitantes. Aplica-se não apenas às pessoas de baixa estatura, mas aos que são moral e intelectualmente reduzidos.

Misólogo: o que tem aversão ao raciocínio, à lógica, à ciência. Do grego miséo – odiar + lógos – palavra, estudo.

Nóxio: nocivo.

Obnubilado: o que tem o pensamento obscuro e lento. Obnubilare, em latim, é “cobrir como nuvem”. Emprega-se no caso da incapacidade de enxergar com clareza. O obnubilado é o que está em campo escuro, sem a luminosidade necessária à visão.

Peralvilho: indivíduo que se veste para estar elegante e só consegue ser ridículo. É o metido a elegante sem o ser. Janota, almofadinha.

Quebra-louças: pessoa desastrada, que provoca confusão.

Réprobo: perverso, malvado. Do latim reprobu.

Soez: vil, reles, ordinário.

Traga-mouros: homem brutal, violento.

Usurário: usura é palavra latina para juro de capital. O usurário é o que exige juros altos pelos empréstimos feitos a quem precisa de dinheiro. Agiota.

Valdevinos: pode ser vagabundo, um esperto que vive à custa dos outros. Ou um doidivanas, amalucado. É derivado do nome próprio Balduíno ou Valdovinos, um cavalheiro que aparece nos romances de cavalaria que, em séculos passados, tornou-se popular. O personagem transformou-se em substantivo comum.

Xenômano: que tem mania por tudo que vem do exterior. É o oposto do xenófobo que despreza o que é de fora. A xenomania leva o sujeito a gostar do ruim porque tem um rótulo estrangeiro e a menosprezar o melhor porque tem um rótulo com texto em sua própria língua.

Zoantropo: pessoa perturbada mentalmente que se sente transformada em um animal. Vítima de zoantropia. Do grego zôon -ser vivo + ánthropos – ser humano.

Serviço

Dicionário Brasileiro de Insultos (2002, Ateliê Editorial)
Autor: Altair J. Aranha
Mais informações aqui.

Recomendado para você