Blog do Jocélio Leal

Vistos gold para Portugal sob suspeita

Torre de Belém, atração turística de Lisboa (Foto: Jocélio Leal)

Lisboa –  A facilidade – ou moleza, como queiram – para se tornar cidadão português foi duramente criticada pela vice-presidente da recém-criada Comissão sobre Crimes Financeiros do Parlamento Europeu (PE). Ela e sua equipe vão elaborar um relatório sobre o tema. Ao cabo de 12 meses, o veredicto poderá ser a sugestão de dar fim ao Visto.

A eurodeputada Ana Gomes (Partido Socialista-PS) disse ao jornal O Globo que a concessão dos vistos de residência gold em Portugal representa a “prostituição” da cidadania europeia e do Espaço Schengen, acordo que permite a livre circulação entre 26 países da Europa.

Naturalmente, em larga medida, da parte dos brasileiros, a procura por Portugal deve ser movida pelo fracasso da segurança pública. Em termos econômicos, o Brasil, a despeito de seus problemas, é um país com muito mais oportunidades do que Portugal.

De todo modo, o principal argumento a favor do fim, prenuncia-se, é a brecha que o sistema pode abrir aos crimes financeiros. Chama a atenção da Comissão o caso dos réus da Lava Jato. Otávio Azevedo, ex-presidente da construtora Andrade Gutierrez, teria adquirido imóvel no valor de € 1,5 milhão. Acionista da mesma empresa, Sérgio Lins Andrade teria comprado imóvel por € 665 mil. Pedro Novis, ex-presidente da Odebrecht, idem.

Quem compra imóvel de no mínimo € 500 mil (algo além de R$ 2 milhões) desfruta . Após seis anos, os beneficiados podem obter a cidadania portuguesa. Criado em 2012, no auge da crise econômica, o programa foi feliz ao atrair dinheiro novo.

Segundo o Imovirtual, site português de venda e compra de imóveis, citado pelo O Globo, o Brasil é o país de origem da maior parte das pesquisas no site, com 1,5 milhão de visitas neste ano.

São Paulo (30%), Rio de Janeiro (25%) e Minas Gerais (7,5%) são os estados com mais buscadores. Lisboa, Braga, Porto e Vila Nova de Gaia são os destinos mais acessados.

 

Recomendado para você