Blog do Jocélio Leal

Cachaça Colonial em negociação com ex-dono da Ypióca

893 2

Marca é tradicional no Ceará, mas deixou de ser fabricada pela família Targino. Herdeiros investem em outro ramo (Foto: Jocélio Leal)

Fortaleza – Everardo Telles procurou Cláudio Targino disposto a voltar ao ramo de aguardentes, depois de vender a centenária Ypióca aos ingleses da Diageo e cumprir a quarentena do contrato. Cláudio, cioso da também centenária marca cearense, embora não esteja mais produzindo, ouviu e delegou a negociação a um escritório do ramo. Pediu R$ 20 milhões. Houve avanços e recuos. A conversa está sobre o balcão.

De onde vem a expressão “o dia está colonial”.Clique aqui

Começou no final de maio. Caso brindem, Everardo pode começar rapidamente a produzir. Tem duas fábricas prontinhas. Uma em Ceará-Mirim (RN) e outra em Jaguaruana (CE). Em ambas vinha fazendo etanol. Quando vendeu a Ypióca, seguiu fornecendo a cana para a Diageo, mas a relação andou queimando e hoje a multinacional compra boa parte da matéria-prima na Paraíba. Everardo poderia posicionar uma cachaça do zero, mas sabe o valor de uma marca como a Colonial.

 

 

Recomendado para você