Leituras da Bel

Escritora Conceição Evaristo é vencedora do Prêmio Cláudia

Conceição Evaristo, escritora. (Foto: Joyce Fonseca/divulgação)

A escritora mineira Conceição Evaristo é vencedora do Prêmio Cláudia na Categoria Cultura. As outras finalistas eram a historiadora carioca Karen Worcman, criadora do Museu da Pessoa, e a cearense Cacique Pequena, símbolo de resistência cultural e social dos índios Jenipapo-Kanindé. A cerimônia de premiação aconteceu em São Paulo, na noite de segunda-feira, 2 de outubro.

“Conceber uma mulher negra, com um prêmio em cultura, é inédito. Rompe com uma imagem que nos coloca sempre no lugar comum, no lugar da subalternidade. Ou quando nos distingue, é para música e dança. É novo imaginar que as mulheres negras escrevem, são professoras, são filosófas. Dedico esse prêmio as duas outras mulheres que concorreram comigo. Fico feliz pois as duas são pessoas e lutas fortes”, pontuou Conceição durante o discurso de agradecimento pelo prêmio.

Escritora de 70 anos, Conceição passou a infância rodeada por histórias e pela palavra falada. Da infância pobre em Belo Horizonte, trouxe a certeza de que não queria repetir o caminho das outras mulheres da família. Não seria faxineira ou cozinheira. Seria professora. E foi. Entrou no curso normal, na faculdade de Letras, no mestrado e no doutorado. O poder da palavra, entretanto, se manifestava não apenas nos estudos de teoria literária, mas também nas densas narrativas construídas por Conceição.

Saiba mais
Leia entrevista com Conceição Evaristo

Foram necessários 20 anos para que o primeiro livro de Conceição Evaristo fosse impresso. Depois disso, o sucesso. A mineira radicada no Rio de Janeiro é uma das mais notórias escritoras brasileiras vivas. Coleciona prêmios, leitores e convites para eventos. A literatura, entretanto, não lhe garante a sobrevivência financeira. É com a aposentadoria de professora que leva a vida.

Recomendado para você