Plínio Bortolotti

Jaguar fala do Pasquim

Em entrevista a Tom Cardoso – também autor da abertura que segue abaixo -, Jaguar, um dos fundadores do mítico Pasquim, fala do jornal alternativo mais conhecido do país. E, também, de seu assunto predileto: bares e bebida. O texto está publicado na Revista do Brasil.

Fígado de Jaguar

Aos 77 anos, e consumidor de chope há mais de meio século, ele próprio calcula: 10 chopes por dia, em média; 3.650 por ano; mais de 200 mil litros de experiência. O fígado do cartunista, por um milagre, está zerado. Ao médico ele foi apenas uma vez nas últimas cinco décadas, por insistência da mulher, a sanitarista Célia Pierantoni.

Sérgio de Magalhães Gomes Jaguaribe, o Jaguar, se diverte trabalhando. É assim desde que entrou para a revista Manchete, em 1958. Na época, conciliava o trabalho de desenhista com o de escriturário do BB. Seu chefe era ninguém menos do que Sérgio Porto, o Stanislaw Ponte Preta. Trabalhou em grandes publicações, da Senhor, de Paulo Francis, ao Última Hora, de Samuel Wainer. Hoje é consultor de humor da Desiderata, editora responsável pelos melhores lançamentos em quadrinhos dos últimos anos e pelas antologias de O Pasquim – o tablóide que marcou época nos anos 1960-1970, tendo à frente ele próprio e os melhores vagabundos de Ipanema, como Ziraldo, Paulo Francis, Tarso de Castro, Millôr Fernandes, Luiz Carlos Maciel, Sérgio Cabral. A entrevista, ainda inédita, estava guardada pelo repórter há dois anos. Mas, assim como o fígado do sabatinado, resistiu firme ao tempo.

Veja a entrevista completa.

Recomendado para você