Plínio Bortolotti

Lima Matos, ex-secretário da Fazenda, diz que estaleiro é a “redenção do Titanzinho”

O economista Lima Matos, secretário da Fazenda no primeiro governo de Tasso Jereissati [1987-1991], publicou artigo na edição de hoje do O POVO defendendo a construção do estaleiro para a construção de navios gaseiros para a Petrobras na Praia do Titanzinho, bairro Serviluz.

Como este blog vem publicando vários posts  contrários ao empreendimento no local, seguem os argumentos de Lima Matos, que também é diretor da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), integra o Conselho de Política Industrial da Confederação Nacional da Industrial (CNI) e o Conselho Editorial do O POVO

Estaleiro: a redenção do Titanzinho
Lima Matos

Uma oportunidade de ouro surge para os moradores da região do Mucuripe, principalmente nas redondezas do Titanzinho. A nossa aguerrida e bela prefeita, que naquelas praias já pescou com seu pai, conforme me relatou, tem a grande chance de transformar um limão em uma saborosa limonada.

Um estaleiro construído preponderantemente dentro do mar onde a natureza já nos deu uma profundidade, pouco propalada, de 17m de calado, conforme filmagem que presenciei no Pacto de Cooperação, e onde construímos do nada uma vigorosa proteção contra marés altas, podendo gerar em cadeia circular até cinco mil empregos, é um presente de Deus, surgido no Natal de 2009.

A cidade de Fortaleza poderia exigir do governador e do empreendimento:

? Um vigoroso investimento de urbanização naquele local, criando a Cidade 3.000 para o que a prefeita já tem planos delineados.

? Avançado núcleo de educação profissional, aglutinando com o Centro Vocacional Tecnológico (CVT) das Docas, liderado pelo Dr. Paulo André, que conta com o apoio do Deputado Ariosto Holanda, com a universidade corporativa dos Moinhos, além da construção de mais cinco ou seis escolas profissionalizantes, acrescentando ainda um parque tecnológico sob a liderança da Lubnor, hoje ali iniciado.

? Com a saída do parque de tancagem para o Pecém, sobram 20 hectares para urbanização com a construção de pequenos prédios residenciais, retirando as casas da areia, reservando 10 ha para indústrias limpas ao redor do estaleiro e da minirrefinaria, que é a Lubnor, já com mais de 20 plantas de subprodutos a disposição dos cearenses, principalmente agora que esta sendo concluída a ponte da Sabiaguaba para escoamento dos produtos;

? Obrigatoriedade do estaleiro e da Lubnor e demais empresas que vierem a ser instaladas naquele local a aplicarem em pesquisas com as Universidades 2% de seus lucros, inclusive para área oceânica, estimulando também a pesca do atum, que só os japoneses levam;

? Doação para a associação de moradores do bairro de 1% de ações ordinárias do estaleiro para que tomem gosto no acompanhamento e resultados do projeto;

? Compra pela Prefeitura de 5% de ações ordinárias para participar efetivamente do projeto.

? Montagem do núcleo do Instituto Euvaldo Lodi e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), para apoio e criação de micros e pequenas empresas.

Finamente, poder-se-ia pensar na abertura de capital do estaleiro, de forma a poderem participar dele todos os cearenses que assim o desejassem, dando o governador Cid Gomes exemplo ao Brasil de cidadania com uma verdadeira parceria pública privada.

Lima Matos é diretor de Ciência e Tecnologia da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), membro do Conselho de Política Industrial da Confederação Nacional da Industrial (CNI) e membro do Conselho Editorial do O POVO

Recomendado para você