Plínio Bortolotti

Estados Unidos, Israel, Palestina, Coreia e China: coisas que eu não entendo

165 7

Ilustração de Hélio Rôla: exclusiva para leitores do blog

Meu artigo semanal publicado na edição desta quinta-feira (3/6/2010) no O POVO.

Coisas que eu não entendo
Plínio Bortolotti

Afirma-se que jornalista é um especialista em generalidades. (Eu prefiro dizer que jornalista é aquele cara que sabe quase nada de quase tudo.) Assim, como observador superficial, estou meio confuso com o que vem acontecendo na cena internacional.

Em março, um submarino da Coréia do Norte afundou um navio de guerra sul-coreano matando 46 marinheiros. O governo norte-coreano alegou que a corveta invadira suas águas territoriais. Os sul-coreanos dizem que o ataque foi em águas internacionais.

A belicosa secretária de Estado dos EUA, Hilary Clinton, condenou, aprioristicamente, a ação, exigindo “resposta internacional” (sanções) contra os norte-coreanos.

Esta semana, um comando das forças armadas de Israel (que dispõe de um dos exércitos mais bem treinados e mais bem armados do mundo) atacou comboio de navios que ia levar ajuda humanitária aos palestinos da Faixa de Gaza. Mataram uma dezena de ativistas, acusando-os de estarem “armados” com bastões e baladeiras (também conhecidas como estilingues).

A Casa Branca não condenou o ataque. Limitou-se a dizer que estava procurando “entender” o que havia acontecido. Ainda assim, os EUA votaram contra resolução da ONU de enviar missão internacional para investigar a violação de leis internacionais.

Pergunto: se as duas situações são praticamente idênticas, sendo que o confronto coreano foi entre duas naves de guerra, por que o governo americano lhes dá tratamento tão diferenciado?

O Irã vem sendo pressionado, Estados Unidos à frente, pelo uso de energia atômica – segundo alega Teerã, para fins pacíficos. Mas, recentemente se “descobriu” que Israel não só possui, como tentou vender armas nucleares para a África do Sul (durante o regime do apartheid): nenhuma censura americana. Pergunto: por quê?

Uma possível resposta seria dizer que o Irã é país “irresponsável”. E quem tenta vender armas atômicas é o quê? Mas o Irã é uma ditadura. Sim, e a China – com a qual os Estados Unidos têm ótimos negócios –, também não é?

Alguém pode me ajudar a entender?

Recomendado para você