Plínio Bortolotti

New York Times consegue 100 mil assinantes no primeiro mês de cobrança online

O New York Times, um dos principais jornais do mundo, disse já ter consegudo mais de 100 mil assinantes para a sua edição online, menos de um mês depois de ter iniciado a cobrança. A informação é do jornal Folha de S.Paulo (edição de 22/4/2011).

Janet Robinson, presidente executiva da corporação que edita o jornal, disse estar satisfeita com o resultado – e que o volume inicial de assinaturas superou as expetativas. Outro efeito considerado positivo foi que subiu o número de assinantes da edição impressa, já que a diferença de preços entre as assinaturas é pequena.

O grupo, no entanto, Segundo a Folha de S. Paulo, não deixou claro quantos desses novos assinantes aceitaram a promoção inicial de US$ 0,99 (R$ 1,56) pelas primeiras quatro semanas. Fora dessa oferta, os pacotes de assinatura digital vão de US$ 15 a US$ 35 ao mês (R$ 24 a R$ 55).

Veja a matéria completa.

Folha de S.Paulo (22/4/2011)
“NYT” obtém 100 mil assinantes on-line

ÁLVARO FAGUNDES
DE NOVA YORK

Menos de um mês após começar a cobrar pelo seu conteúdo on-line, o “New York Times” disse já ter conseguido mais de 100 mil assinantes para seu modelo digital.
“Estamos satisfeitos com o número de assinantes que conseguimos até o momento, à medida que o o volume inicial superou significativamente as nossas expectativas”, disse a presidente-executiva da New York Times Company, Janet Robinson.
Além disso, o número de pessoas que recebem o jornal em casa subiu, já que a diferença entre o preço da assinatura digital e o do jornal impresso não é muito grande -e estes podem ler o conteúdo on-line sem pagar mais.
É a primeira vez que a empresa revela o número de assinantes obtidos desde que passou a adotar o sistema de cobrança, em 28 de março. No início deste mês, Robinson já dissera que os números eram “encorajadores”.
O grupo, no entanto, não deixou claro quantos desses novos assinantes aceitaram a promoção inicial de US$ 0,99 (R$ 1,56) pelas primeiras quatro semanas. Fora dessa oferta, os pacotes de assinatura digital vão de US$ 15 a US$ 35 ao mês (R$ 24 a R$ 55).
O “New York Times” também não informou qual a sua expectativa para o primeiro ano de cobrança, mas se comenta que espera atingir 300 mil assinantes.
O sistema anterior de cobrança, que durou de 2005 a 2007, conseguiu 227 mil assinantes, mas era bastante diferente: o predecessor fechava apenas parte do conteúdo, como colunistas, e o atual libera o usuário para ler 20 artigos grátis por mês -só então exige o pagamento e torna o material inacessível.
Segundo a consultoria Hitwise, as visitas ao site do “New York Times” caíram entre 5% e 15% desde que a cobrança foi adotada.
A dúvida é como isso vai afetar a receita com publicidade on-line. O balanço do primeiro trimestre, divulgado ontem, não é um indicador, já que a cobrança foi adotada só no fim de março.
No primeiro trimestre, o grupo lucrou US$ 5,4 milhões, queda de 58% ante o mesmo período de 2010. O faturamento teve recuo mais brando, de 3,6%. As receitas com publicidade digital do setor de notícias da empresa continuaram se expandindo (14,9%), compensando em parte o declínio de 7,5% nos anúncios no setor impresso.

“INESCRUPULOSOS”
O modelo de cobrança do jornal é considerado por analistas bastante “poroso”, porque deixa várias aberturas para o usuário acessar o conteúdo sem precisar pagar.
Por exemplo, mesmo se estiver extrapolado o limite de 20 artigos mensais, uma pessoa pode ler o material clicando em links do Twitter ou do Facebook.
O diretor digital da New York Times Company, Martin Nisenholtz, disse que o número de pessoas que tentam burlar o sistema é até agora menor que o esperado e que elas não são uma preocupação, já que provavelmente não pagariam pelo conteúdo.
De acordo com ele, se esse número crescer, haverá “uma série de maneiras para combater esse pessoal inescrupuloso”.

Recomendado para você