Política

Filho de Bolsonaro defende “Escola sem Partido” em evento em Fortaleza

459 22
Audiência na AL com Eduardo Bolsonaro teve protestos pró e contra o movimento Escola sem Partido (Divulgação: AL-CE)

Audiência na AL com Eduardo Bolsonaro teve protestos pró e contra o movimento Escola sem Partido (Divulgação: AL-CE)

Autor de uma das diversas propostas de lei alinhadas com o movimento “Escola sem Partido”, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) participou de audiência sobre o tema nesta segunda-feira, 7, na Assembleia do Ceará. Em defesa da medida, ele criticou “doutrinação” de professores e atribuiu maus indicadores da educação brasileira a “cartilhas socialistas”.

O evento foi organizado pela deputada Dra. Silvana (PMDB), para debater projeto semelhante em tramitação na Assembleia. “Isso é mais importante que qualquer matéria. Estamos impedindo que alunos se rebelem contra os pais, entrem pra tráfico de drogas”, disse Eduardo Bolsonaro.

O deputado criticou sobretudo o educador Paulo Freire – falecido em 1997 –, creditado como um dos principais responsáveis pela expansão do ensino brasileiro nos anos 1980 e 1990. “(Método Freire) repete e assimila os ensinamentos de Karl Marx e de Antônio Gramsci, dizendo que as escolas devem ser conquistadas para a revolução socialista”, disse.

O deputado negou ainda que o projeto de alguma forma “censure” professores. “A esquerda está desesperada, porque os alunos deixarão de ser audiência cativa de discursos ideológicos dos professores”. Filho do também deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), Eduardo é autor de projetos como um que criminaliza uso do símbolo da foice e martelo, ligado à extinta URSS.

Opositores do projeto criticam organização

A participação de Bolsonaro lotou duas salas de comissões da Assembleia Legislativa. Segundo o órgão, cerca de 300 pessoas acompanharam o evento, entre manifestantes pró e contra a família Bolsonaro. O evento começou por volta das 10h, e contou com participação de representantes do movimento “Endireita Ceará” e vereadores de Baturité, município que também discute projeto semelhante.

Manifestantes contrários ao projeto se queixaram da postura da organizadora do evento, Dra. Silvana. Segundo eles, a deputada teria limitado o acesso de pessoas contrárias ao Escola sem Partido à audiência pública. O ex-secretário de Educação de Fortaleza e professor aposentado da UFC, Idevaldo Bodião, foi um dos que foram impedidos de acompanhar o evento.

Contraponto

Presente na audiência, o diretor da União Nacional dos Estudantes (UNE), Leonardo Guimarães, questionou fala do deputado. “As escolas não tem nem pagamento de salário, professores não elaboram um plano de educação, e tem gente que acha que o problema é doutrinação (…) vocês deveriam estar lutando por mais verba nas escolas”, disse.

Ele também contestou acusação de doutrinação feita por Bolsonaro, afirmando que ela não condiz com um crescimento cada vez pronunciado do conservadorismo no País. “Vocês mesmos colocam que existe um avanço do conservadorismo. Onde que as crianças estão aprendendo isso?”, questionou.

O diretor criticou ainda a tese de uma educação “neutra”, o que seria impossível. “A neutralidade é um conceito que pra pedagogia é morto. Nunca conheci alguém que acredite nisso. É rejeitado há décadas”, disse.

Recomendado para você