Política

Acusada de fraude em medicamentos já havia sido afastada pela Sesa

451 3
Operação mirando em fraudes na Sesa foi deflagrada semana passada (Foto: Divulgação)

Operação mirando em fraudes na Sesa foi deflagrada semana passada pelo Ministério Público (Foto: Divulgação)

Servidora da Secretaria de Saúde do Ceará (Sesa) presa em operação anticorrupção na última quinta-feira, 19, já havia sido afastada internamente pela pasta antes da ação. A informação é do deputado Evandro Leitão (PDT), líder do governo Camilo Santana (PT) na Assembleia.

Segundo ele, a Sesa teria afastado a servidora Walécia Diana Gadelha Maia, acusada de fraudes na compra de medicamentos da pasta, “logo no primeiro sinal de desvio de conduta”. “Isso demonstra que o Estado quer que seja tudo apurado e responsabilizando quem esteja comprometido com o delito. A servidora já estava afastada quando houve o mandado de prisão”, disse.

Evandro Leitão classifica ainda como positivo o atual sistema de compras de medicamentos do Estado, em operação desde 2015. “O abastecimento foi ampliado e houve uma economia de 20 por cento nas compras. Portanto, uma redução drástica”.

Operação Medicar

Deflagrada na quinta-feira passada, Operação Medicar aponta fraudes para a compra sem licitação de medicamentos e materiais médico-hospitalares. Ao todo, foram cumpridos dois mandados de prisão temporária, um deles de uma servidora da Saúde. Na manhã desta terça-feira, o assunto foi dos temas mais comentados em pronunciamentos da Assembleia.

“Se os crimes identificados forem confirmados, poderemos ter o maior escândalo de desvio de recursos públicos da história do Ceará”, disse Capitão Wagner (PR). Já Leonardo Araújo (PMDB) acusou o Governo do Estado de omitir aos deputados mais informações do caso. “É passível de uma investigação do MPCE sobre a conduta do Executivo nesta questão”, diz.

Segundo a investigação, empresas envolvidas receberam do Estado mais de R$ 48 milhões entre 2015 e 2017. A operação aponta, por exemplo, ocorrência contratos com valor abaixo do mercado, firmados em licitações irregulares com objetivo de entregar produtos diversos ou de qualidade inferior àqueles efetivamente contratados pela pasta.

Recomendado para você