Política

Empresas compram pacotes de disparos no WhatsApp contra o PT na reta final da campanha, diz jornal

1634 1

Em prática ilegal, empresas compram pacotes de compartilhamento em massa de mensagens no WhatsApp contra a candidatura de Fernando Haddad (PT), conforme informa o jornal Folha de S.Paulo. A operação de disparos no WhatsApp, conforme a reportagem, estaria prevista para ocorrer na última semana de campanha eleitoral. A prática é crime é ilegal, por configurar uso de dinheiro de empresas em campanha.

Disparos no WhatsApp

Estratégia de disparos no WhatsApp partiria de empresas apoiadoras de Bolsonaro contra Haddad. (Fotos: Agência Brasil)

Conforme a Folha, o contrato teria previsão de disparar centenas de milhões de disparos. O valor de cada contrato chegaria a R$ 12 milhões.

Apoiadoras da candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), as empresas comprariam serviço de “disparo em massa”. Os destinatários seriam bases de usuários dos próprios candidatos ou bancos de contatos vendidos por empresas de estratégia digital. O uso de bases de usuários de terceiros também é ilegal.

Conforme a Folha, empresas investigadas disseram não poder aceitar contratos até 28 de outubro, dia do segundo turno, devido aos serviços contratados por empresas privadas nos dias anteriores.

Recomendado para você