Política

André Fernandes chama família de Ciro de “facção” e ataca Capitão Wagner

12109 4

André Fernandes disse que Capitão Wagner “ainda é nosso aliado” (Foto: Junior Pio/AL-CE)

A briga política a nível nacional que o deputado Capitão Wagner (Pros) participou, nessa terça-feira, 14, envolvendo o Ministério da Educação (MEC) e o contingenciamento ou não de verbas para instituições federais, apresenta reflexos a nível municipal. Inclusive se o assunto for Eleições em 2020.

Isso porque o deputado estadual André Fernandes (PSL), aliado do presidente Jair Bolsonaro (PSL), se manifestou via Twitter sobre o assunto. Primeiramente, o presidente municipal do PSL disse que o Ceará é dominado por “facção criminosa chamada Ferreira Gomes”.

“Ciro Gomes vende ao Brasil uma imagem falsa do Ceará, porém quem mora aqui sabe de toda a verdade! Um absurdo!”, opinou o parlamentar  estadual.

E completou: “E ainda tem deputado do Ceará que se elegeu ao lado de Bolsonaro que em vez de estar fiscalizando e lutando contra essa facção criminosa aqui no estado, está atacando o próprio governo Bolsonaro. Parece brincadeira”.

Embora não tenha citado o nome do capitão da reserva da Polícia Militar, foi Wagner que nessa terça-feira usou a tribuna da Câmara dos Deputados para dizer que a suspensão do contingenciamento de recursos de instituições federais de ensino superior estava suspenso.

LEIA TAMBÉM: Consideramos a aliança com Wagner, diz Heitor Freire

André Fernandes quer ser candidato, afirma Capitão Wagner

“Os partidos do presidente estavam presentes (na reunião com Bolsonaro), e vem a líder do Congresso e diz que é boato. Quem foi que criou o boato?”, esbravejou. “Foi o governo, que voltou atrás e depois voltou atrás de novo. Recuou duas vezes.”. Segundo disse, a reunião com Bolsonaro teve a presença de 12 parlamentares.

O episódio acentua o tensionamento existente na relação entre os dois políticos. Já anunciado postulante à Prefeitura de Fortaleza em 2020, Wagner queria abrigar o PSL em sua vice. Fernandes, contudo, primeiro disse que Wagner vinha dando “caneladas”,referindo-se à postura de desalinho do deputado em relação a Bolsonaro, sobretudo quando o assunto é reforma da Previdência.

Depois, o pesselista confirmou que a sigla deveria ter candidatura própria para 2020. Wagner já expressou que se Fernandes e o PSL entenderem que cometeram erro de avaliação, recepcionará o partido de braços abertos.

“Aliado”

Na sessão legislativa dessa quarta-feira, 15, Fernandes utilizou a tribuna da Casa. Criticou as manifestações pelo País e, ao final de sua fala, mencionou Wagner. Classificou o parlamentar como “amigo” e disse crer que ele “ainda é aliado nosso”.

“Deputado Capitão Wagner, vamos atacar Camilo (Santana), vamos mostrar transparência, vamos mostrar que o problema do Ceará são os Ferreira Gomes e não atacar o seu aliado Jair Messias Bolsonaro. Um abraço.”

 

Recomendado para você