Portugal sem Passaporte

Turismo brasileiro é o que mais cresce em Portugal. Aumento de 32,5 % em Julho.

A cada dia que passa aumenta o numero de brasileiros em Portugal, uns fixando residencia em solo lusitano, em ótima qualidade de vida, outros usufruindo de inesqueciveis férias.

O Brasil continua a ser um dos principais emissores de turistas para Portugal e no mês de julho foi mesmo o mercado emissor que mais cresceu, registando um aumento de 32,5% do número de dormidas face a julho do ano passado, de acordo com os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

“Do total de dormidas de não residentes, cerca de 75% tiveram origem nos oito principais mercados emissores, que continuam a revelar um desempenho fortemente positivo, com crescimentos liderados pelos mercados brasileiro (+32,5%), britânico (+20,8%) e espanhol (+18,1%)”, revelou o INE.

No total acumulado desde o início do ano o turismo em Portugal soma 22,1 milhões

Em julho o número de dormidas nos estabelecimentos hoteleiros portugueses cresceu 10% em termos homólogos, para 5,05 milhões, sendo que as dormidas de turistas portugueses subiram apenas 1,9%, enquanto as de estrangeiros aumentaram 14,7%. No mês em análise os proveitos totais da hotelaria portuguesa subiram 11,1%, para 240,8 milhões de euros.

Já no total acumulado desde o início do ano o turismo em Portugal soma 22,1 milhões de dormidas, com um aumento de 8,9%, e as receitas totais ascendem a 1.040 milhões de euros, mais 7,5% que nos primeiros sete meses do ano passado.

Segundo o INE, os hotéis e os hotéis-apartamentos apresentaram os maiores aumentos no número de dormidas relativamente ao período homólogo e para estes resultados contribuíram todas as categorias, com destaque para as unidades de cinco e quatro estrelas, que decorrem igualmente do aumento da oferta.

A distribuição regional do total de dormidas, em comparação com o mês homólogo, revela acréscimos em todas as regiões, com destaque para a Madeira (+19,5%) e o Alentejo (+12,3%). O Algarve cresceu 9,5%, enquanto Lisboa e o Centro se fixaram com taxas de crescimento de aproximadamente 8%.

“Para o bom resultado registado na Madeira”, diz o INE, “contribuíram particularmente os mercados britânico e alemão que, em conjunto, representam cerca de 50% das dormidas de não residentes e cresceram 20,8%, em comparação com o período homólogo de 2010”. Já no Algarve, o principal mercado emissor (o britânico), representa cerca de 40% das dormidas de não residentes na região) e cresceu 19,4%, tendo sido superado apenas pelo crescimento do espanhol (+31,1%, correspondendo a 11,5% do total).

diario digital