Radar do Comércio

A sonoridade instigante e potente d’As Bahias e a Cozinha Mineira

A imagem mostra os três integrantes do grupo Bahias e a Cozinha Mineira.

O grupo As Bahias e a Cozinha Mineira se apresenta amanhã, 31, no Sesc Fortaleza

Considerado uma das vozes mais fortes do movimento LGBTQ, o trio formado por Assucena Assucena, Raquel Virginia e Rafael Acerbi levam para o Sesc Fortaleza um show repleto de brasilidade e vigor

Música, resistência e talento cruzam a trajetória artística e de vida de Assucena Assucena e Raquel Virginia. Ao lado de Rafael Acerbi, as duas fazem parte do grupo As Bahias e a Cozinha Mineira, que de uns anos para cá tem conquistado uma legião de fãs e também admiração dos críticos musicais. Não é para menos. As canções do grupo são carregadas de mensagens sobre aceitação, empoderamento, afeto, cotidiano e amor próprio, além de ser um “grito” contra o machismo e a homofobia. O som é eclético, mistura rock, blues, axé, tropicália e outros ritmos nordestinos.

Considerado uma das vozes mais fortes do movimento LGBTQ – Assucena Assucena e Raquel Virginia são mulheres trans -, o trio As Bahias e a Cozinha Mineira surgiu nos corredores da USP. O encontro do grupo aconteceu a partir de várias coincidências e afinidades para além da escolha pelo curso de História. “Bahia”, por exemplo, era como as duas cantoras costumavam ser chamadas, embora Raquel tenha nascido em São Paulo.

A afinidade entre elas e Rafael Acerbi, mineiro de Poços de Caldas, foi imediata. Os três se conheceram e se uniram, em 2011, para formar a banda Preto por Preto, referência ao hit da cantora Amy Winehouse, que morreu naquele ano. Após algumas apresentações, tomaram para si referências da música brasileira, com inspiração, principalmente, da cantora Gal Costa. Estava, assim, formada essa mistura entre Bahia e Minas, que em pouco tempo conquistou o País.

As Bahias e a Cozinha Mineira já lançaram três discos. O mais recente, Tarântula, foi lançado este ano e conta com 10 faixas compostas pelos três integrantes, que flertam entre o dançante e o reflexivo. O nome do álbum, inclusive, foi inspirado na Operação Tarântula, espécie de caça às travestis e pessoas LGBTQ em São Paulo em 1987. Estima-se que, na ocasião, que aproximadamente 300 pessoas foram assassinadas.

Trio em Fortaleza

No sábado, 31 de agosto, o público vai ter a chance de conferir toda a potência e a autenticidade das Bahias e a Cozinha Mineira. O trio encerra a programação da Semana Sesc de Artes Integradas, que reuniu mais de 50 atrações, entre música, teatro, dança, literatura, audiovisual e artes visuais. O show é gratuito para quem possui Cartão Sesc e, para os demais, o valor do ingresso é R$ 5, com doação de dois quilos de alimento para todos.

E tem programação artística e cultural também no sábado (30). Confira mais informações no site da Fecomércio.

Serviço

Semana Sesc de Artes Integradas
Quando: de 23 a 31 de agosto
Onde: Sesc Fortaleza (R. Clarindo de Queiroz, 1740 – Centro)
Entrada franca com doação de 2kg de alimento

Show As Bahias e a cozinha mineira
Quando: 31 de agosto (sábado) a partir das 22 horas
Onde: Sesc Fortaleza
Ingressos: Grátis com doação de 2 kg de alimento (mediante Cartão Sesc).
Público em geral – R$ 5 com doação de 2kg de alimento. Venda no local, no dia do show, a partir das 8 horas.

Recomendado para você