Repórter Entre Linhas

Há 15 anos, Evanescence lançava Fallen, seu primeiro álbum de estúdio

1127 5

How can you see into my eyes like open doors?

Como você consegue enxergar em meus olhos como portas abertas?

A pergunta vem do primeiro verso que Amy Lee cantou para o mundo, há 15 anos, quando lançou o single de estreia do Evanescence: Bring Me To Life. A canção, que ao lado de My Immortal é tema do controverso filme Demolidor, de Mark Steven Johnson, anunciava uma banda que trabalhou por quase uma década antes de ser lançada ao mundo, com uma musicalidade que soava fresca e autêntica.

Fallen (Wind-Up Records) chegou às lojas no dia 4 de março de 2003, com 11 faixas e quatro singles. Vencedor de dois Grammy Awards (Best New Artist e Best Hard Rock Performance) e com 17 milhões de cópias vendidas, passou mais de 40 semanas no Top 10 da Billboard, algo até então inédito para uma banda de rock com vocal feminino.

+ Leia também: Evanescence volta às origens com nova versão de Bring Me to Life

É do Fallen o hit Going Under, um grito de combate ao relacionamento abusivo numa época em que o empoderamento não era uma ideia tão bem difundida, e Everybody’s Fool, uma crítica à indústria da música pop norte-americana.

Mesmo com letras pessoais, o Evanescence abordou desde cedo temas pesados, como o suicídio em Tourniquet, regravação da banda Soul Embraced, e Whisper. Além disso, My Last Breath foi composta depois da tragédia do 11 de setembro, e Hello é sobre a morte da irmã de Lee, que partiu quando a artista ainda era criança. A morte sempre foi um tema presente nas músicas da banda.

Mesmo que este não seja um álbum exatamente conceitual, existe um conceito trabalhado por trás das letras e do título do Fallen (caído, em tradução literal). A possibilidade de se levantar após uma queda. O Evanescence se apropriou do trágico como forma de superação.

+ Leia também: Há 5 anos, Evanescence fazia show em Fortaleza

Criada na cidade de Little Rock, no Arkansas, a banda era formada basicamente por duas pessoas, Lee e Ben Moody, até a chegada de David Hodges, um terceiro e essencial membro para a produção do disco de estreia.

Com produção de Dave Fortman (que trabalhou com bandas de nu metal como Mudvayne, Otep e Slipknot), todo o processo de gravação foi com os três músicos – e alguns convidados, durante o ano de 2002, nos estúdios da NRG Recording e Conway Recording, em Los Angeles. A parceria com Fortman é a origem de aspectos característicos do nu metal na música do Evanescence. Sonoramente, a banda vai além.

O disco marca a saída de Moody, co-fundador do grupo, com quem Amy tinha uma relação conturbada. Pessoas próximas à banda, na época, chegaram a contar que os dois tinham um relacionamento abusivo, tanto física quanto psicologicamente. O que explica a letra de Going Under e várias canções que seriam compostas nos anos posteriores pela artista. Ben saiu da banda no meio da turnê mundial, sem explicações. Um dos empresários chegou a mandar que Amy impedisse a saída do ex-companheiro – o que ela claramente não fez.

Ben foi substituído por Terry Balsamo, que ficou no posto de guitarrista por mais de 10 anos. John LeCompt (guitarra), Will Boyd (baixo) e Rocky Gray (bateria) completavam a formação.

O mérito do Fallen – além de lançar luz sobre as bandas de rock com vocal feminino, que mesmo reconhecidas dentro de cada nicho, como Garbage e Nightwish, não ganhavam tanto destaque nas mídias de massa – é mesclar características tão distintas musicalmente. Riffs de nu metal, orquestra, corais, piano clássico, elementos eletrônicos e a sensibilidade vocal de Amy Lee. Está tudo aqui, em perfeita harmonia. O dia 4 de março acabou sendo eleito pelos fãs do grupo o Dia Mundial do Evanescence.

Relembre os clipes da banda:

Recomendado para você