Sincronicidade

Então lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” (Mt 16,15)

Olha para Jesus. Não há ninguém como ele. Quantas feridas, quanto sofrimento! Como resplandece sua imagem iluminada por todos esses sofrimentos! Mas são somente esses: em torno dele, ligadas a ele até constituir uma única coisa, estão todas as crueldades, as misérias, os pecados do homem. Como o lótus purifica o pântano, também ele, com sua vinda, resgatou a felicidade humana.

Como esta noite contemplamos a beleza  e a serenidade do céu depois do potente e pavoroso jogo do furacão de hoje, assim podemos julgar belo e estupefaciente o manifestar-se de uma imensa dor na vida dos grandes homens, para que neles contemplemos a dor na verdade plena. Não a vemos mais em forma de sofrimento, mas em forma de alegria.

R. Tagore

[Tagore, R. O Cristo. – Tradução Jairo Veloso Vargas. – Antologia de escritos, selecionados e traduzidos do bengali por Marino Rigon sx, com a colaboração do Centro de Estudos Tagore, sob a direção de Lauro Santoro Regaini. – São Paulo: Paulinas, 1997, p. 56. – (Coleção Sabedoria).]