Slice

Cuevas é campeão do Rio Open e volta ao top 30

Cuevas venceu seu primeiro ATP 500 na carreira. Foto: Rio Open/Fotojump

Cuevas venceu seu primeiro ATP 500 na carreira. Foto: Rio Open/Fotojump

Wagner Mendes
Rio de Janeiro

Quem imaginaria que um torneio com Rafael Nadal, Jo-Wilfried Tsonga, David Ferrer, John Isner, Fabio Fognini e Dominic Thiem iria ver uma final entre o argentino Guido Pella e o uruguaio Pablo Cuevas? Ainda tínhamos nomes que poderiam estragar os planos de qualquer favorito, falo de Alexandr Dolgopolov e Nicolas Almagro. Os finalistas da edição 2016 não estavam cotados pela crítica especializada nem para isso. Coisas do tênis.

O jogo foi marcado por longas trocas de bolas. O duelo foi paralisado por 3h30min em razão de mais um dia de chuva no Jockey Club. Cuevas teve a chance de vencer o jogo ainda no tie do segundo set, mas não confirmou os pontos de saque e Pella acabou levando para o terceiro set. “É (um título) especial por ter batido o Nadal nas semifinais, e hoje acho que foi uma grande partida. Senti que joguei bem demais, o serviço ajudou um pouco”, disse o vencedor. O uruguaio foi superior no duelo e venceu o jogo por 2 sets a 1, com parciais de 6/4, 6/7(5) e 6/4.

Especialista no saibro e acostumado a jogar no calor da América do Sul, Cuevas acabou sendo beneficiado também no cruzamento da chave. Enfrentando Facundo Bagnis, Thiago Monteiro e Federico Delbonis nos primeiros duelos, o jogo teste só apareceu na semifinal contra Rafael Nadal, que não vem de bons resultados e passa por má fase na carreira. O argentino naturalizado uruguaio tem bom retrospecto aqui no Brasil. Ele é o atual campeão do Brasil Open.

A surpresa maior foi a chegada de Guido Pella na final, que salvou três match points contra o armericano John Isner ainda na primeira rodada. Além de Isner, Pella teve que passar por Santiago Giraldo e Dominic Thiem. Com o resultado, o argentino atinge seu melhor ranking na carreira chegando ao top 50.

O título da final masculina de duplas foi para a parceria segunda favorita no torneio, os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah que triunfaram dos espanhóis Pablo Carreño Busta e David Marrero por 2 sets a 0, com parciais de 7/6(5) e 6/1.

duplascolomboa

Feminino

Os 280 pontos da atual edição do Rio Open na chave feminina continuou com a Itália. Em 2015, Sara Errani faturou o título, ontem foi a vez da experiente Francesca Schiavone conquistar o campeonato, dessa vez em cima da americana Shelby Rogers por 2 sets a 1, com parciais de 2/6, 6/2 e 6/2. Acostumada ao saibro – sendo campeã de Roland Garros em 2010 – a tenista tenta se firmar no circuito após longo período sem vitórias.

Schiavone leu carta em português.

Schiavone leu carta em português.

Com o resultado, a italiana ex número 4 do mundo sobe 38 posições e volta ao top 100. No discurso emocionado, ela agradeceu ao público em português. Aos 35 anos, disse que “despedida” das quadras é uma palavra que não a interessa nesse momento.

“Estou muito orgulhosa, feliz. Passei uma semana completa, com sofrimento, com match point contra e com muito trabalho na final. Hoje não importava ganhar ou perder, para mim era um dia de festa”, disse a campeã.

 

Recomendado para você