Ancoradouro

Jornalista relata exorcismos realizados no Vaticano e em Medjugorje

369 3

Em seu novo livro, traduzido como “Meu nome é Satanás – histórias de exorcismos do Vaticano a Medjugorje”, (publicado em italiano) o jornalista Fabio Marchese Ragona , que escreve para o jornal italiano diário Il Giornale, documenta casos de exorcismos sendo realizados no Vaticano em Medjugorje. Nesta recente entrevista o site NCRegister, Ragona relata exorcismos realizados por papas recentes, incluindo Pio XII, que realizou um contra Hitler à distância, bem como os casos que ele documentou de posse em Medjugorje. “O diabo não é invenção de algum especialista em marketing”, diz Ragona. “O mal realmente existe e está ao virar da esquina.”

Livro relata casos reais de exorcismo e alerta para a presença do mal.

 O que o motivou a escrever este livro?

O nascimento deste livro tem duas razões: por um lado, o desejo – decorrente do diálogo com alguns padres exorcistas – de abalar as consciências perante um fenômeno cada vez mais subestimado. Infelizmente, o diabo na sociedade de hoje é percebido na maioria dos casos apenas como um vestígio dos tempos medievais, um “bicho-papão”, quase um “Oogie Boogie” [um saco de insetos vilão no filme de animação de Tim Burton, O Pesadelo Antes do Natal] que foi usado para aterrorizar os mais fracos. É graças a essa incredulidade generalizada que o diabo é capaz de ganhar cada vez mais terreno rastejando lentamente e sem ser notado. Por outro lado, este livro nasceu por causa de uma promessa que fiz a um exorcista que, antes de morrer, depois de me ter permitido presenciar um exorcismo, me disse: “Quando eu for embora, você terá que tornar tudo público, para dar este importante testemunho também. ” E assim nasceu Meu nome é Satanás, que coleta testemunhos e documentos sobre casos importantes de exorcismo.

Você menciona um homem mexicano, Angel V, por quem o Papa Francisco orou em 2013. Você sabe como ele se recuperou desde então ?

Angel escreveu a Francisco depois daquele encontro e, a partir dos documentos que recolhi, o Papa rezou novamente por ele do Vaticano, embora à distância, ao mesmo tempo em que Angel era exorcizado na Catedral de Morelia. Isso aconteceu duas vezes, quando era meia-noite no México. Depois que Angel foi submetido a outros exorcismos, ele está um pouco melhor, mas ainda não está livre. Os quatro demônios ainda estão no corpo do homem, e eles disseram que partirão no dia da Imaculada Conceição, 8 de dezembro, mas – o pai espiritual do Angel me explicou – não sabemos em que ano. Um fato interessante: quando o Papa visitou o México [em 2016], ele também foi à cidade de  Morelia, onde vive Angel.

Que tipo de casos, e quantos deles, você encontrou no Vaticano e em Medjugorje em sua pesquisa?

Em Medjugorje, sendo um lugar de graça, o diabo está frequentemente presente para nos irritar. No livro, coleto importantes testemunhos de manifestações demoníacas durante as reuniões, com algumas pessoas possuídas que tentaram atacar os supostos videntes. Não são muitos os casos, mas acontece que se ouvem rugidos ferozes e até casos de levitação. Para o Vaticano, além deste caso seguido “à distância” pelo Papa Francisco, descobri que o Cardeal [Ivan] Dias fez um exorcismo na Praça de São Pedro em 2012 dentro da casa da guarda suíça. Naquele dia o demônio se revelou durante uma missa celebrada na praça por Bento XVI. Por sua grande caridade, seu modo de viver a liturgia, seu respeito pelas regras, seu rigor, o Papa emérito sempre incomodou muito o demônio que durante os exorcismos muitas vezes falava mal de Joseph Ratzinger. Houve outros exorcismos realizados há alguns anos no Vaticano pelo cardeal albanês Ernest Simoni. Revelo também novos detalhes dos exorcismos realizados por São João Paulo II e alguns exorcismos realizados – à distância – por Pio XII. Não há evidências de que Bento XVI tenha feito exorcismos.

O senhor cita dois exorcismos ocorridos durante o pontificado de Pio XII – poderia relatar brevemente a gravidade desses casos e o que aconteceu depois?

Encontrei documentos de arquivo com testemunhos juramentados de pessoas mais próximas de Pio XII. No livro, lembro-me da Irmã Pascalina Lehnert, ex-governanta do Papa, que revelou o quanto o Papa Pacelli fazia de tudo para deter a loucura de Hitler e por isso, além de rezar, disse a freira, o Santo Padre também fez exorcismos no o Führer em sua capela particular na presença das religiosas. Alguns cardeais e bispos alemães estavam de fato convencidos de que Hitler estava possuído, e há o testemunho do sobrinho de Pio XII que revelou que em 1958, na véspera das importantes eleições políticas italianas, o Papa fez exorcismos para afastar a ação demoníaca de afetar o resultado da votação. No final, os democratas-cristãos venceram e Pio XII ficou visivelmente aliviado.

O que mais o surpreendeu em suas descobertas? 

Fiquei muito surpreso ao descobrir que o diabo pode se esconder até nas pequenas coisas e que pode afetar até mesmo as pessoas consagradas. No livro conto a história de um caso seguido pelo Padre Cândido Amantini, o mestre do grande exorcista Padre Gabriele Amorth, que por muito tempo realizou exorcismos em uma freira possuída. E então muitos casos “vizinhos” de pessoas muito normais que muitas vezes são alvejadas porque se aproximam de locais perigosos ou por inveja de alguém. E fiquei muito surpreso ao ver um exorcismo: vi com meus próprios olhos que o diabo havia possuído um jovem de 30 anos. De repente ele começou a tremer, sua voz tornou-se profunda, polifônica, como se várias pessoas estivessem falando ao mesmo tempo. E quando o exorcista perguntou: “Quantos de vocês estão aí?” O diabo respondeu: “Somos exércitos, você não pode nos deter, ele é nosso agora. De repente, o demônio também começou a reclamar da presença de alguém, um monge com barba. Após a insistência repetida do padre, finalmente foi entendido que durante aquele exorcismo o Padre Pio estava – aparentemente – também presente, e estava realmente incomodando Satanás.

Que conclusões você tira dos casos que encontrou? 

Infelizmente, esse diabo não é invenção de algum especialista em marketing: o mal realmente existe e está logo aí. Por isso mesmo fiz uma investigação jornalística, para estudar o fenômeno e olhar cada caso com meus próprios olhos de jornalista. Um pequeno exemplo: muitas pessoas pensam que não é uma possessão diabólica real, mas uma doença mental. Mas como é possível, portanto, que o possuído, durante a fase de transe, possa ler as mentes dos exorcistas? Muitos padres, a fim de entender se é uma verdadeira posse, recitam orações em suas mentes sem dizer uma palavra. Os possuídos então começam a se mexer, a gritar, a se enfurecer contra o padre e dizer a ele: “Pare de rezar !!!” Como isso é possível? É incrível! E em vez disso, infelizmente, é tudo verdade!

Matéria publicada no site National Catholic Register, por Edward Pentin. 

Recomendado para você

3 Comentários

  • Denise Machado disse:

    Existe esse livro em
    Português ?

  • Mara Santos disse:

    Como religiosos que conhecem a Bíblia poderiam negar a existência dos demônios, lucífer quando foi jogado do céu pois ele era um anjo, vieram muitos com eles, o Reino Espiritual é em guerra direto do bem contra o mau e para exorcizar um endemoniado tem que está cheio do Espírito Santo e repreender com autoridade, usando o nome de Jesus!

  • Michelle toste disse:

    Vigiai e Orai! Temos de estar alertas e orar sem parar. Se a Luz existe, também as Trevas. Jesus é Nosso Salvador! Amém!

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *