Asas e Flaps

Um pouco da segunda visita do Airbus A-380 a São Paulo

O Airbus A-380 é um avião singular, que para fazer sucesso depende de algumas mudanças em aeroportos (ainda que “simples” como prega a fabricante). Em entrevista coletiva, o vice presidente para América Latina Rafael Alonso disse que o A-380 pode operar em qualquer aeroporto onde o Boeing 747 opera, necessitando apenas de um segundo “finger” (ponte de embarque) para agilizar a operação, mas curiosamente, ao contrário do Boeing 747, que quando foi lançado comercialmente lá pelos idos de 1970 demandou extensivas mudanças nos aeroportos da época, o A-380 ainda não “decolou” com um número expressivo de vendas apesar de estar em operação já por cinco anos.

Todos os dados apresentados pela Airbus mostram que se trata de uma excelente aeronave do ponto de vista de custos, então fica a incógnita do porquê tão poucas unidades foram vendidas. O preço unitário de tabela está na ordem de 300 milhões de dólares, o que é um investimento razoável. O problema aqui na América Latina é que não há nenhum centro de manutenção que suporte um check pesado de A380 (talvez a exceção seja a TAP/VEM, mas não tenho certeza) e convenhamos que os aeroportos não estão preparados, por mais que se diga o contrário.

Nenhum operador dos Estados Unidos mostrou interesse pelo gigante, embora haja rumores (rádio peão) que a United Airlines estaria interessada em adquirir cinco unidades.

Mas falando da aeronave em si, é um belo projeto de engenharia. Não acho as formas da fuselagem bonitas e geralmente aeronaves que possuem mais envergadura do que comprimento não costumam ser “alinhadas”. A asa no entanto é muito bonita e bem construída. Obviamente o assunto das rachaduras encontradas veio a tona durante a entrevista coletiva, e a resposta oficial é que as rachaduras são em uns brackets que prendem painéis de asa nos ribs, o que não compromete a segurança de voo, mas vai requerer reparos em todos os modelos já entregues.

Mas vamos ao que interessa, já que nem todos podem ver esse monstro de perto, o AeM trás um pouco dele para vocês. Desta vez filmei com uma Go-Pro para melhorar o campo de visão. Desculpem o volume no primeiro filme, esqueci de abaixar na edição e ficou um pouco alto. O segundo vídeo do cockpit está legal.

Entrando no monstro de testes:

Escrito por ,

Fonte:  http://www.avioesemusicas.com/

________________________________________________________________

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *