Asas e Flaps

Voo Varig 254 acidente na selva, Co-Piloto Nilson Zille reafirma que houve arrogância do Cmt Garcez

22829 40

O Voo VARIG 254 era uma linha aérea da Viação Aérea Rio Grandense (VARIG) que ligava São Paulo a Belém, realizando escalas em Uberaba, Uberlândia, Goiânia, Brasília, Imperatriz e Marabá. No dia 3 de setembro de 1989, o Boeing 737-200 prefixo PP-VMK que realizava essa rota realizou um pouso de emergência (por falta de combustível) em uma região de floresta localizada a 60 km ao norte de São José do Xingu, Mato Grosso. A aeronave, que havia saído de sua rota após um erro de navegação cometido pela tripulação, transportava 41 passageiros e 6 tripulantes. Apesar do pouso realizado em condições precárias, apenas 12 passageiros perderam a vida.

main_image1

Aeronave

A VARIG operaria seus primeiros Boeing 737 em 1974.  A aeronave acidentada seria uma das primeiras adquiridas,da versão 200, sendo fabricada em 1975 sob o número de construção 21006/398. A aeronave entraria em serviço na VARIG em 1975, sendo utilizada nas rotas domésticas e seria registrada como PP-VMK.

VARIG_Boeing_737-300_JetPix

Acidente

O Boeing 737-200 prefixo PP-VMK decolaria do aeroporto de São Paulo/Guarulhos as 9h43 min de 3 de setembro de 1989, iniciando o voo RG-254 entre São Paulo e Belém, com escalas previstas em Uberaba, Uberlândia, Goiânia, Brasília (onde ocorreu a troca programada de tripulação), Imperatriz e Marabá. O Voo RG-254 transcorreu normalmente até Marabá, onde pousaria naquela tarde às 17h08 min.

Em Marabá, a aeronave foi reabastecida e preparada para a etapa final do voo até Belém, com duração de 50 minutos. Tendo decolado às 17h35 min, o Boeing 737-200 PP-VMK tomaria o rumo oeste, ao invés do rumo norte. Após ter alcançado teoricamente 89 milhas naúticas de Belém, a tripulação do RG-254 tentaria estabelecer contato com o Controle de aproximação (APP) Belém. A comunicação com o APP Belém só foi conseguida através de uma ponte realizada por outro Boeing da VARIG que realizava o voo 266 de Belém para Brasília. A dificuldade de comunicação com Belém, aliada ao não avistamento da cidade indicariam possíveis erros de navegação. O atraso da aeronave não despertaria preocupação nas autoridades, por conta do voo ser realizado em um tranquilo domingo, dia de jogo da seleção brasileira de futebol, e o trecho final do voo 254 ser de fácil execução. O APP Belém, acreditando que o voo 254 estava seguindo seu ritmo normal, concederia autorização de pouso para o PP-VMK. Por sua vez, o centro de coordenação da VARIG também não notaria o atraso do voo 254.

Com o passar do tempo ,a situação começaria a fugir de controle. Após relutar em pedir ajuda, a tripulação do voo 254 conseguiu se comunicar por volta das 20h30 min com tripulações dos voos 231 e 266 da VARIG. Após travar diálogo de 25 minutos com essas tripulações, o VARIG 254 cortaria as comunicações, tendo decidido realizar um pouso de emergência por falta de combustível.

Após voar por três horas sem descobrir sua real posição, o PP-VMK realizaria um pouso forçado por volta das 21 h em uma área de floresta localizada a 60 km ao norte de São José do Xingu.

Na aterrissagem, o impacto do avião contra as árvores causou a morte de 12 ocupantes e ferimentos em outros 42

As autoridades dariam uma resposta lenta ao acidente. Quatro ocupantes do Voo 254 caminhariam por 40 quilômetros selva adentro até alcançarem a sede da fazenda Curunaré no dia 5 de setembro, onde seriam levados a fazenda Ferrão de Prata, equipada com rádio, onde avisariam a FAB sobre o local aproximado do pouso forçado. Um Bandeirante do Serviço Aéreo de Resgate sobrevoaria os destroços do PP-VMK às 16h25 min do dia 5. O pouso forçado destruiria a aeronave, abrindo uma clareira de mais de 100 metros na mata. Os primeiros sobreviventes seriam resgatados na noite do dia 5, assim como os corpos das oito primeiras vítimas que se elevariam a treze ao final dos trabalhos

Cquote1.svg Estou com todas as luzes acesas. Só tenho 100 quilos de combustível. Vejo duas queimadas e vou tentar o pouso Cquote2.svg

— Comandante César Augusto Padula Garcez , piloto do Voo VARIG 254, durante diálogo final (antes do pouso de emergência) com as tripulações dos voss 231 e 266 da VARIG

Investigações

As investigações sobre o acidente se iniciariam no dia 7 de setembro. Desde o desaparecimento da aeronave, a aeronautica apontava falha humana como causa do desastre. Havia a suspeita de que os tripulantes do PP-VMK estivessem distraídos ouvindo o jogo do Brasil contra o Chile, válido pelas Eliminatórias da Copa do Mundo FIFA de 1990. No entanto ,seria descoberto um erro de navegação localizado no plano de voo fornecido pela VARIG. No plano, estava grafado rumo 0270, significando 027,0 graus. A companhia aérea fornecia o mesmo tipo de plano de voo para as aeronaves que usavam proas com decimais e as que usavam apenas o valor inteiro da proa. Apesar desta particularidade ser informada aos pilotos nos treinamentos da companhia aérea, o valor expresso no plano de voo 0270 foi interpretado pelo comandante como sendo 270°. Este erro de interpretação significa trocar a direção aproximada do norte (27°) pelo rumo oeste (270°). O quarto dígito seria utilizado apenas pelas tripulações dos DC-10, que eram equipados com os Sistemas de navegação inercial (INS). Os Boeing 737 não eram equipados com INS, utilizando para navegação sistemas de radiofaróis (NDB) e VOR.13

Meses após o acidente, o plano de voo do VARIG 254 foi entregue a 21 pilotos das principais companhias aéreas do mundo durante um teste realizado pela International Federation of Air Line Pilots’ Associations (IFALPA). Nada menos que 15 pilotos cometeriam o mesmo erro da tripulação do voo VARIG 254. Após o acidente do voo 254, A VARIG instalaria em suas aeronaves equipamentos para utilização do sistema Omega. 14

O relatório final do acidente atribuiu o acidente a erro humano, embora as deficiências do plano de voo fornecido pela VARIG (posteriormente a VARIG seria obrigada a suprimir o 4º dígito dos planos de voo de aeronaves que não possuíam INS) e a falta de um monitoramento aéreo mais eficiente por parte das autoridades (sendo que o controle de aproximação de Belém não dispunha de radar, equipamento instalado posteriormente15 ) tenha contribuído significativamente para ocasionar o acidente. O acidente do Voo VARIG 254 contribuiria para a implantação do Sistema de Vigilância da Amazônia.

Bibliografia
  • SILVA, Carlos Ari Cesar Germano da; O rastro da bruxa: história da aviação comercial brasileira no século XX através dos seus acidentes; Porto Alegre Editora EDIPUCRS, 2008, pp 352-360.
  • SANT’ANA, Ivan; Caixa Preta – o relato de três desastres aéreos brasileiros; São Paulo Editora Ponto de Leitura, 2011
Voo RG 254 – Varig – PARTE 1

O 737 decolou de Marabá com destino à Belém, escala final do vôo RG254. A tripulação plotou no sistema de navegação da aeronave a proa 270º (proa oeste), ao invés da proa correta que seria 027, no rumo N/NE. Após voar algumas horas tentando se localizar, a tripulação declarou emergência. A aeronave fez um pouso em pane seca na floresta, à noite. Milagrosamente, escaparam com vida 42 dos 54 ocupantes do avião, incluindo os dois tripulantes técnicos.

Voo RG 254 – Varig – PARTE 2

Voo RG 254 – Varig – PARTE 3 – Acidente Varig- Entrevista – Co-Piloto – Nilson Zille

Fonte; Wikepedia

40 Comentários

  • Carlos disse:

    Essa matéria foi inteiramente copiada do Wikipédia e, não faz menção disso.

  • Carlos disse:

    Essa matéria foi inteiramente copiada do Wikipédia e, não faz menção disso.

  • Claudio Oliveira disse:

    Tenho a impressão que noticiários da época deram conta que um passageiro constante deste voo, observou a posição do Sol e logo informou à tripulação, todavia disse ele que não foi levado em consideração de que o comandante voava em rumo errado. Deu no que deu.

  • Claudio Oliveira disse:

    Tenho a impressão que noticiários da época deram conta que um passageiro constante deste voo, observou a posição do Sol e logo informou à tripulação, todavia disse ele que não foi levado em consideração de que o comandante voava em rumo errado. Deu no que deu.

  • Daniel Girald disse:

    Não dá para negar que o decimal na planilha potencializou esse erro de navegação, mas o piloto desperdiçou todas as (ainda que poucas) chances de amenizar as consequências do desastre.

  • Daniel Girald disse:

    Não dá para negar que o decimal na planilha potencializou esse erro de navegação, mas o piloto desperdiçou todas as (ainda que poucas) chances de amenizar as consequências do desastre.

  • Gerson disse:

    Nao gosto de crucificar ninguem ! Torci sempre para que o comandante nao fosse tao culpado. Mas, matematica simples, incluindo nocao de circulo e graus, e ainda geografia, seriam suficiente que a rota nao poderia ser 270 graus… Belem fica na direcao norte, jamais sul (270 graus)… Foi um erro grosseiro… Desatencao… Sou um amante de mapas. Jamais cometeria este erro e nao sou piloto…

  • Gerson disse:

    Nao gosto de crucificar ninguem ! Torci sempre para que o comandante nao fosse tao culpado. Mas, matematica simples, incluindo nocao de circulo e graus, e ainda geografia, seriam suficiente que a rota nao poderia ser 270 graus… Belem fica na direcao norte, jamais sul (270 graus)… Foi um erro grosseiro… Desatencao… Sou um amante de mapas. Jamais cometeria este erro e nao sou piloto…

  • Ewerton disse:

    O nome do Engenheiro que comunicou a tripulação do erro é Epaminondas, ele foi um dos sete que ficaram ilesos, e um dos 4 que caminharam 40 kilometros até a fazenda!
    Ele tinha uma bússola e percebeu o erro do piloto tendo comunicado 5 vezes este erro a tripulação!

    Houve arrogância não só da parte do piloto neste caso…

  • Ewerton disse:

    O nome do Engenheiro que comunicou a tripulação do erro é Epaminondas, ele foi um dos sete que ficaram ilesos, e um dos 4 que caminharam 40 kilometros até a fazenda!
    Ele tinha uma bússola e percebeu o erro do piloto tendo comunicado 5 vezes este erro a tripulação!

    Houve arrogância não só da parte do piloto neste caso…

  • santinondes correa costa. disse:

    sou santinondes correa costa. ex policial militar. estava em maraba naguele dia. no eroporto e vi a decolagem do boig em sentido ao contrario. ainda avisei alguem no aeroporto e ninguem se enportou com o caso. no outro dia figuei sabendo do seu dizaparecimento. estava do lado da cerca guando decolou . era 90 graus pra esguerda e foi direto sentido sul.

  • santinondes correa costa. disse:

    sou santinondes correa costa. ex policial militar. estava em maraba naguele dia. no eroporto e vi a decolagem do boig em sentido ao contrario. ainda avisei alguem no aeroporto e ninguem se enportou com o caso. no outro dia figuei sabendo do seu dizaparecimento. estava do lado da cerca guando decolou . era 90 graus pra esguerda e foi direto sentido sul.

  • Forum disse:

    E mesmo com esse sistema de vigilância da amazonia, mesmo com TCAS, houve a colisão do Gol com o Legacy ….
    Tecnologia não substitui desatenção, deficiência técnica ou empáfia.

  • Forum disse:

    E mesmo com esse sistema de vigilância da amazonia, mesmo com TCAS, houve a colisão do Gol com o Legacy ….
    Tecnologia não substitui desatenção, deficiência técnica ou empáfia.

  • Alfredo disse:

    Que fim levou a aeronave, foi desmontada e deixaram a carcaça lá? Ou foi totalmente removida?

  • Alfredo disse:

    Que fim levou a aeronave, foi desmontada e deixaram a carcaça lá? Ou foi totalmente removida?

  • Rafael disse:

    270 é sentido oeste e não sul como estão dizendo nos comentários.

  • Rafael disse:

    270 é sentido oeste e não sul como estão dizendo nos comentários.

  • Custodio Netto disse:

    Fraco todos que se confundiram ridiculamente.
    Desde meus primeiros vôos com os comandantes da Cruzeiro no inicio da década de 80, era obrigatório o Cross check da navegação recebida impressa com a carta de rota utilizada, para check da aerovia a ser interceptada ou do rumo , RDL OU QDR de saida.
    Simples, seguro e foda-se a arrogância de A ou B.
    Voei 26 anos na Cruzeiro e VARIG e nunca saí em rumo equivocado simplesmente por essa regra. Se o tal do Zille tivesse um pouquinho de disciplina operacional jamais ocorreria tal estupidez de responsabilidade de ambos.
    Voei anos e anos com graus e minutos e nunca tive problema algum. Questão de respeito, disciplina operacional e planejamento.

  • Custodio Netto disse:

    Fraco todos que se confundiram ridiculamente.
    Desde meus primeiros vôos com os comandantes da Cruzeiro no inicio da década de 80, era obrigatório o Cross check da navegação recebida impressa com a carta de rota utilizada, para check da aerovia a ser interceptada ou do rumo , RDL OU QDR de saida.
    Simples, seguro e foda-se a arrogância de A ou B.
    Voei 26 anos na Cruzeiro e VARIG e nunca saí em rumo equivocado simplesmente por essa regra. Se o tal do Zille tivesse um pouquinho de disciplina operacional jamais ocorreria tal estupidez de responsabilidade de ambos.
    Voei anos e anos com graus e minutos e nunca tive problema algum. Questão de respeito, disciplina operacional e planejamento.

  • Antonio Ivan disse:

    Gostaria de saber se nesse vôo havia algum passageiro com o nome de Maria Isabel?

  • Antonio Ivan disse:

    Gostaria de saber se nesse vôo havia algum passageiro com o nome de Maria Isabel?

  • César disse:

    Muito fácil crucificar a tripulação não é, Gerson. Garanto que se você fosse piloto, além de um aficionado por mapas, não estaria falando uma bobagem dessa… Não estou defendendo a tripulação do RG 254 e tampouco a condenando, mas as rotinas em uma cabine de comando se tornam tão automáticas que um erro como esse, induzido por uma carta com péssima qualidade de impressão, seria perfeitamente possível e ocorreu com outras tripulações da VARIG na mesma época. Não tratava-se de navegação visual, portanto mapas geográficos… Condenável neste episódio foi a falta de coordenação entre Cmte. e primeiro oficial e a aparente prepotência do Cmte. em não assumir o erro a tempo e/ou não aceitar ajudas. O erro ao inserir a proa errada é perfeitamente aceitável e compreensível, a conduta da tripulação para lidar com o erro, não.

  • César disse:

    Muito fácil crucificar a tripulação não é, Gerson. Garanto que se você fosse piloto, além de um aficionado por mapas, não estaria falando uma bobagem dessa… Não estou defendendo a tripulação do RG 254 e tampouco a condenando, mas as rotinas em uma cabine de comando se tornam tão automáticas que um erro como esse, induzido por uma carta com péssima qualidade de impressão, seria perfeitamente possível e ocorreu com outras tripulações da VARIG na mesma época. Não tratava-se de navegação visual, portanto mapas geográficos… Condenável neste episódio foi a falta de coordenação entre Cmte. e primeiro oficial e a aparente prepotência do Cmte. em não assumir o erro a tempo e/ou não aceitar ajudas. O erro ao inserir a proa errada é perfeitamente aceitável e compreensível, a conduta da tripulação para lidar com o erro, não.

  • Modesto de Borba Dias disse:

    mdbdias@yahoo.com.br Bastava o Cmte observar o Sol. Deveria voar rumo N/NE com o Sol no lado esquerdo do rosto e não no rumo Oeste com o Sol na cara. Simples assim.

  • Modesto de Borba Dias disse:

    mdbdias@yahoo.com.br Bastava o Cmte observar o Sol. Deveria voar rumo N/NE com o Sol no lado esquerdo do rosto e não no rumo Oeste com o Sol na cara. Simples assim.

  • Fernando disse:

    Absurdo dos absurdos um comandante saber que tem que voar norte e não notar que a aeronave está voando OESTE. Mesmo hoje com todos os sistemas se checando mutuamente, o olhar do comandante é crucial pra saber se tem algo errado, pelo menos na direção. Erro humano absurdo, independente do plano de voo da Varig.
    Então se saio de SP e vou para o Rio e o plano de voo fornece proa 270. Já nos cheks list de decolagem plano x mapa (mental mesmo) vejo que tem algo muito errado.
    Tanto na aviação como em qualquer outra atividade com a mesma carga de responsabilidade os chek list são constante e ocorrem mesmo em voo.

  • Fernando disse:

    Absurdo dos absurdos um comandante saber que tem que voar norte e não notar que a aeronave está voando OESTE. Mesmo hoje com todos os sistemas se checando mutuamente, o olhar do comandante é crucial pra saber se tem algo errado, pelo menos na direção. Erro humano absurdo, independente do plano de voo da Varig.
    Então se saio de SP e vou para o Rio e o plano de voo fornece proa 270. Já nos cheks list de decolagem plano x mapa (mental mesmo) vejo que tem algo muito errado.
    Tanto na aviação como em qualquer outra atividade com a mesma carga de responsabilidade os chek list são constante e ocorrem mesmo em voo.

  • DJ Chris Lucius disse:

    Meu pai foi Comissário de Bordo da VARIG durante mais de 30 anos. Ao longo de meus 45 anos de idade e convivendo com uma gama de tripulantes amigos de minha família, nunca vi tamanhas falhas como esta do Comandante Garcez. Foram apenas 12 pessoas. Mas, poderiam ser bm mais.

  • DJ Chris Lucius disse:

    Meu pai foi Comissário de Bordo da VARIG durante mais de 30 anos. Ao longo de meus 45 anos de idade e convivendo com uma gama de tripulantes amigos de minha família, nunca vi tamanhas falhas como esta do Comandante Garcez. Foram apenas 12 pessoas. Mas, poderiam ser bm mais.

  • ricardo magno de souza moura disse:

    O VMK decolou de CGH e não de GRU. Eu estava lá.

  • ricardo magno de souza moura disse:

    O VMK decolou de CGH e não de GRU. Eu estava lá.

  • Washington disse:

    E teve passageiro que alertou sobre o possível erro de rota e não deram ouvidos. Lamentável. O co-piloto Zille publicou um livro sobre o acidente dando detalhes dos diálogos no cokpit.

  • Washington disse:

    E teve passageiro que alertou sobre o possível erro de rota e não deram ouvidos. Lamentável. O co-piloto Zille publicou um livro sobre o acidente dando detalhes dos diálogos no cokpit.

  • HUGO JOSÉ DE BARROS disse:

    SE EU FÔSSE O CO-PILOTO ZILLE! TOMAVA UMA ATITUDE RADICAL: CHAMAVA O ENGENHEIRO MAIS ALGUNS -PA!! OKPAX ARRANCARIA O COMTE PREPOTENTE E ERRATICO DO COMANDO( AMARRARIA ÊLE )E O ZILLE ASSUMIRIA O COMANDO! VOLTARIA P/ MARABÁ

  • HUGO JOSÉ DE BARROS disse:

    SE EU FÔSSE O CO-PILOTO ZILLE! TOMAVA UMA ATITUDE RADICAL: CHAMAVA O ENGENHEIRO MAIS ALGUNS -PA!! OKPAX ARRANCARIA O COMTE PREPOTENTE E ERRATICO DO COMANDO( AMARRARIA ÊLE )E O ZILLE ASSUMIRIA O COMANDO! VOLTARIA P/ MARABÁ

\

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *