Beleza e Saúde

ENTREVISTA COM OFTALMOLOGISTA ABELARDO TARGINO SOBRE MÁCULA

Oftalmologistas Abelardo Targino e David Lucena, do Centro Avançado de Retina e Catarata

Diabetes não tratada que pode levar à cegueira e degeneração da mácula devido ao avanço da idade são as principais dúvidas que chamaram a atenção da população que participou do Simpósio Mácula 2017, realizado pelo Centro Avançado de Retina e Catarata, no Hotel Gran Marquise, recentemente. O oftalmologista Abelardo Targino (CRM 5246), à frente do simpósio há 15 anos, entre uma cirurgia e outra, concedeu-nos entrevista direto do Centro Avançado, ao lado do também oftalmologista David Lucena, sobre o evento que já virou uma tradição no Ceará.

ROBERTA FONTELLES PHILOMENO – O que é a mácula?

ABELARDO TARGINO – É a parte mais importante da nossa visão, do aparelho visual. Todos nós temos no fundo do olho a retina que funciona como se fosse um filme da máquina fotográfica de antigamente e a mácula é a parte central da retina, nela se concentra a nossa visão de detalhes. Toda e qualquer doença da macula afeta a visão de leitura, o paciente não consegui dirigir, não consegui ver os olhos dos outros.

RFP – … E o Simpósio Mácula 2017?

AT – E as doenças que afetam a mácula é o ponto central do nosso debate, anualmente, no simpósio que acontece há 15 anos consecutivos. A mácula é debatida com a toda a sociedade de Oftalmologia do Ceará e também com a população.

RFP – Como foi o encontro?

AT – Coordenamos a vinda de um especialista de fora que tenha se sobresaido, no ano anterior, em pesquisas, em avanços em tratamentos das doenças da mácula. Ele dá uma palestra não só para o púbico oftalmológico, mas também para a população em geral. Então, o simpósio tem dois momentos: um dedicado à população e outro ao meio acadêmico.

A mácula é a parte central da retina, que fica localizada no fundo do olho, nela se concentra a nossa visão de detalhes.

RFP – E neste ano, o Mácula atingiu suas expectativas?

AT – Sim. Como convidado, contamos com a oftalmologista Dra. Silvana Vianello (MG), PhD em retina e  Fellow observer San Raffaele Scientific Institute, em Milão (Itália), que desenvolveu uma pesquisa enorme sobre prevenção de doenças de mácula, através de sensibilidade ou contraste. São exames bem específicos que conseguem fazer o diagnóstico bem precoce, bem mais do que os exames que utilizamos no dia a dia. Mas esses exames que ela realiza estão no campo da pesquisa, são avanços para o futuro. Tivemos ainda a presença da população que teve a chance de tirar suas dúvidas.

RFP – Quais são as principais dúvidas do público, em relação à mácula?

AT – Dois assuntos são recorrentes: a degeneração macular relacionada à idade avançada, uma das principais causas de cegueira, no Brasil, após os 60 anos de idade, e o portador de retinopatia diabética (cegueira doce), a maculopatia diabética. A mácula vai sofrendo muito pelo diabetes maltratado e certos níveis de glicose podem até não ser perigosos para a vida do paciente, mas são perigosíssimos para a mácula e causam perda da visão. A pessoa continua vida, mas não consegui enxergar. Tentamos convencer de todas as maneiras, alertar os pacientes para controlar a diabetes, uma doença silenciosa e perigosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *