Beleza e Saúde

FACELIFT LIGHT PROMETE!!!

FOTO DIVULGAÇÃO

Cantora Celine Dion e rosto mais harmônico e rejuvenescido depois do facelift

FOTO DIVULGAÇÃO

Atriz Letícia Spiller fez cirurgia de rosto e o resultado foi muito natural

Quando uma amiga ou amigo diz que vai se submeter à cirurgia plástica no rosto, confessa? Vem logo à sua cabeça a imagem de uma pessoa com face repuxada, sobrancelhas nas alturas, olhos esquisitos. Só que hoje, com a evolução do procedimento, ao longo de 21 anos de sua criação, os resultados estão cada vez mais naturais e a cirurgia menos invasivas, devido, principalmente, à associação de técnicas.

Duvida? Veja o caso de Leticia Spiller. A atriz fez lifting facial, em 2013, com o cirurgião plástico carioca Carlos Fernando Almeida, conhecido entre as celebridades como o “Doutor Mão Leve”, por conta da sutileza de suas intervenções, e desfila exuberante, rejuvenescida e supernatural. Assim como a cantora americana Celine Dion, que além de rejuvenescer, usou o poder da cirurgia plástica para remodelar as linhas do rosto.

E a evolução não para por aí. Já vivemos a 3ª geração do facelift e podemos usufruir, agora, do chamado facelift light. Uma associação de técnicas (ritidoplastia + blefaroplastia + lipoaspiração de submento + preenchimento de rugas com ácido hialurônico), com recuperação mais rápida do paciente, sem necessidade de tirar pontos ou utilização de drenos no pós-cirúrgico. Ou seja: ainda dá tempo de fazer a cirurgia e brilhar no Natal e Ano Novo ou programar mesmo, para as férias de janeiro.

“O objetivo é atenuar a flacidez de pele das bochechas (principalmente no 1/3 inferior da face) e do pescoço, além de reposicionar o tecido gorduroso abaixo da pele (SMAS- sistema músculo aponeurótico superficial)”, explica o cirurgião plástico cearense Isaac Furtado (CRM. 5243/ RQE 1429), que apresentou o faceligt light, no 53º Congresso Brasileiro de Cirurgia Plástica, que aconteceu no Centro de Eventos do Ceará, e em um simpósio internacional.

Isaac Furtado é entusiasta da técnica. “Ela deixa a metade da cicatriz, se comparada ao método tradicional, que fica escondida em torno da orelha e dentro do cabelo, não é preciso cortar nem um fio de cabelo, não há necessidade de drenos, assim como não há retirada de pontos, pois são internos”. O cirurgião conta que a recuperação gira em torno de duas semanas. “Após três semanas, complementamos o tratamento com o uso de ácido hialurônico”.

INDICAÇÃO

FOTO DIVULGAÇÃO

O facelift light é indicado para pacientes acima dos 45 anos de idade que precisam atenuar a flacidez de pele das bochechas (“principalmente no 1/3 inferior da face”) e do pescoço. Ideal para tratar as bochechas, no chamado “bulldog”.  “O procedimento demora em torno de 2h para ser realizado, com anestesia local e sedação, e o paciente dorme somente uma noite no hospital”, avisa Isaac Furtado.

É que a partir dos 45 anos, a pele do rosto começa a perder a rigidez e a tonificação, causando seu estiramento e flacidez, o que leva ao aparecimento de rugas, linhas na testa e nas laterais dos lábios. E as alterações ocasionadas pelo envelhecimento facial podem trazer problemas estéticos, psicológicos e sociais para os pacientes.