Beleza e Saúde

Centro Cardiológico do Hospital São Camilo é referência no tratamento de doenças cardíacas no Ceará

Além de uma equipe com mais de 20 profissionais da área, o Centro Cardiológico do São Camilo ainda oferece avaliação cardiológica esportiva

Mesmo na correria que a população vive atualmente, ninguém espera ser internado em um hospital, vítima de um ataque cardíaco, principalmente porque, muitas vezes, a doença aparece de forma silenciosa. Embora o problema seja considerado um grande causador de morte no Brasil, nem todo ataque cardíaco é fatal. Se identificado e tratado a tempo, o paciente se recupera totalmente do ocorrido. Entretanto, todas as vítimas de infarto estão em maior risco de sofrer um novo infarto ou outras doenças cardiovasculares.

O Hospital São Camilo – Cura d’Ars possui um Centro Cardiológico de referência no Estado do Ceará, que conta com mais de 20 profissionais das mais diversas sub especialidades dentro da própria cardiologia. Neste Centro são realizados em média, 700 atendimentos por mês e os pacientes podem fazer qualquer tipo de exame da área cardiológica e mais de 500 exames complementares. Lá ainda é oferecido atendimento ambulatorial, para aqueles pacientes que não estão internados.

Além do Centro Cardiológico, o Hospital oferece também cardiologia hospitalar. Este setor dispõe de cardiologistas 24 horas de forma presencial; um Centro de Hemodinâmica, um dos mais modernos do Norte Nordeste que também funciona 24 horas, sendo referência no tratamento de infarto; enfermaria de cardiologia com uma média de internação de 20 pacientes diariamente e UTI cardiológica.

O São Camilo possui uma equipe de cirurgia cardiovascular que tanto atende no Centro especializado, como no próprio hospital. Hoje, é o único centro de reabilitação cardíaca dentro de um hospital, um diferencial no atendimento desses pacientes que podem ser acometidos por algumas intercorrências e nesse caso, esse fator é fundamental para que haja um suporte mais rápido e adequado nessas eventualidades.

Outro diferencial é a avaliação cardiológica esportiva, direcionada para pacientes que são atletas, maratonistas e triatletas. Eles passam por uma avaliação de desempenho físico chamada ergoespirometria ou teste cardiopulmonar, que alia o teste ergométrico com a análise dos gases expirados durante o exercício. A partir desse exame entende-se melhor o comportamento dos sistemas: cardiovascular, respiratório, vascular pulmonar e muscular esquelético ao estresse físico. Através do resultado pode ser programado o treino desses pacientes, baseado na frequência cardíaca e desempenho físico dele.

Segundo o cardiologista do Hospital São Camilo, Dr. Rafael Macedo, infarto é uma doença multifatorial, possui vários fatores de risco que podem estar presentes no estilo de vida ou na herança genética. Esses fatores levam à obstrução das artérias do próprio coração, as quais vão acumulando gordura, num processo de aterosclerose, quando a gordura se acumula podendo chegar ao ponto de entupir, fechando a artéria coronariana, ou acumular ao ponto de inflamar e romper essa artéria. Esse rompimento causa uma trombose na artéria do coração, resultando no infarto. Nesse caso o paciente vai sentir uma dor no peito muito forte, irradiando para o pescoço ou para os braços, geralmente pode ter suor frio, palidez, queda de pressão, mal estar, sensação de desmaio e até ânsia de vômito. É imprescindível que ao detectar esses sintomas, o paciente procure uma emergência médica para passar por um eletrocardiograma e uma avaliação médica.

Dr. Rafael Macedo garante que para prevenir o infarto é necessário que, a partir dos 25 anos, sejam realizados exames periódicos, inclusive avaliação cardiológica todos os anos, ou a cada dois anos. Fundamental uma dieta balanceada, que evite problemas como a obesidade, o colesterol e a diabetes. É importante, por exemplo, o consumo de frutas, verduras, legumes, cereais e alimentos ricos em fibras, pois ajudam a garantir o bom funcionamento do coração. Também é recomendável que se evite comidas gordurosas, cigarro, bebidas alcoólicas e o uso excessivo de sal. Além de atividade física pelo menos quatro vezes por semana, por no mínimo 30 minutos.