Beleza e Saúde

APRENDA A ENFRENTAR A OBESIDADE, NO LIVRO “OBESIDADE, A ARTE DE REMOVER ESSE PESO”, DA MÉDICA LIA LIMA

Médica endocrinologista Lia Lima, especialista em Metabolismo Funcional e low car

1 – “Quebre mitos, aprenda novos conceitos e institua mudanças para enfrentar esta doença”. É a proposta da médica endocrinologista Lia Lima, especialista em Metabolismo Funcional e low carb, que lançou o livro “Obesidade, a Arte de Remover esse Peso”, da Haryon Editora (199 páginas), recentemente, em Fortaleza, no sotão do Moleskine.

2 – É muito interessante e vale a pena ler a obra de Lia Lima, pois não trata a obesidade como uma fórmula matemática simples que até então estávamos acostumados: “perder peso é igual a comer menos (ingerir menos calorias) e se exercitar mais (gastar mais calorias)”. A proposta desse manuscrito é completamente diferente.

Livro “Obesidade, a Arte de Remover esse Peso”, da médica Lia Lima, propõe uma nova abordagem para pacientes obeso e seus familiares

3 – “Não é sobre matemática, e sim sobre ciência e a engrenagem humana relacionada ao peso”, diz a médica que propõem ao leitor mudar de estratégia para vencer o ganho de peso, tendo como base estudos científicos, observações de anos de consultório e acompanhamento de diversos pacientes. O leitor estará diante de informações não convencionais e sem modismos.

4 – A maioria dos pacientes, segundo a médica, chega ao consultório descrente e frustrada com relação à perda de peso, queixa-se de que perder peso é uma questão estética e que não deve ser prioridade em sua vida, tampouco para sua saúde, nega o uso de medicações para tal tratamento, alegando não precisar desse “apelo”. “Chega com ideias deturpadas sobre alimentação, medicação e doença”, lamenta.

5 – E o livro também serve como um manual de orientação para os familiares do paciente que sofre de obesidade. “Quando os familiares acompanham a consulta do obeso, apresentam-se como delatores, descrentes ou frustrados. Forçam a consulta e surgem as famosas frases: ‘Está vendo?’, ‘Eu não disse?’. Geralmente,
o paciente, que é o protagonista, permanece calado e envergonhado”, relata.

6 – Atualmente, a médica cearense Lia Lima mora em São Paulo, mas não perde o sotaque nordestino e nem a afinidade pela cultura e culinária da terra de origem e fez questão de incluir sua cidade natal, na turnê de lançamento do livro. “Respeito as diferenças sociais e acredito no ser humano”, conclui ela. ​

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 5 =