Beleza e Saúde

Otorrinolaringologista João Paulo Almeida aborda o reflexo, que pode afetar o sistema respiratório. Saiba como evitar!

FOTO DIVULGAÇÃO

 

1 – O refluxo é um problema cada vez mais comum e seu surgimento está diretamente ligado ao nosso estilo de vida estressante, maus hábitos de alimentação, obesidade e afetado pelo nosso estado emocional. É um problema tão presente no mundo em que vivemos que tenho certeza, sem medo de errar, que se você não sofre de refluxo conhece alguém acometida pela doença.

2 – E se você sente com frequência pigarro, tosse crônica, rouquidão e dor de garganta, sensação de “bolo” ou ardor na garganta, cansaço ao falar ou ao cantar, nódulos ou cisto de pregas vocais, pode sofrer de um tipo de refluxo que vai além do estômago e atinge a laringe e a faringe, O refluxo gastresofágico.

3 – O médico otorrinolaringologista João Paulo Almeida diz que o esse tipo de refluxo pode manifestar ainda sintomas extra-esofágicos, como dores no peito, manifestações respiratórias, tosse seca, rouquidão, asma, otite, rinite, faringite crônica, otite, apnéia do sono (ronco) e, em alguns casos, até mesmo lesões tumorais.

Otorrinolaringologista João Paulo Almeida

4 – Prevenção: “Para evitar o refluxo em geral é imprescindível a mudança no estilo de vida”, reservar um tempo para fazer as refeições, mastigando bem os alimentos, nada de bebidas muito quentes, gasosas e as que contêm cafeína. “Evitar ainda alimentos ácidos, gordurosos, doces, muito condimento e tempero e frituras”. E após as refeições, esperar 1h para deitar.

5 – Para entender: O refluxo ocorre quando o ácido que auxiliar na digestão (produzido pelo estômago a cada 3h ou 4h) escapa do estômago e sobe pela parede do esôfago (refluxo gastroesofágico). Em determinadas circunstâncias, o líquido chega às cordas vocais, causando o refluxo laringofaríngeo.

6 – O tratamento do refluxo é feito através de acompanhamento médico, ingestão de medicamentos conforme orientado e uma reeducação alimentar. “O paciente tem de ter a consciência que é necessária uma mudança de estilo de vida”, finaliza João Paulo Almeida,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *