Discografia

Após 13 anos, Claudia volta com ótimo tributo a Caetano Veloso

438 2

A carioca Maria das Graças Rallo se lançou artisticamente como Claudia e foi um dos grandes nomes da música brasileira dos anos 60 e 70. Dona de uma voz segura e versátil, ela foi premiada numa infinidade de eventos nacionais e internacionais, mas, hoje, é praticamente desconhecida no Brasil. Segundo a própria, o motivo foi uma richa com Elis Regina que fez as portas se fecharem à sua frente. Chegou a engrenar a carreira internacional, mas no Brasil foi ficando cada vez menos ouvida. Um retorno digno com um bom cartão de apresentação aparece agora com o disco Senhor do tempo – Canções raras de Caetano Veloso (Joia Moderna). O tributo, produzido por Thiago Marques Luiz, traz uma seleção de 12 canções do compositor baiano que foram lançadas por outros artistas, em compactos ou em trilhas sonoras. Pra costurando tudo, um frescor jazzístico e a voz de Claudia que ganhou uma leve rouquidão que dá ainda mais charme aos lados B do compositor, como em Naquela estação, sucesso de 1990 na voz de Adriana Calcanhoto. Primando por canções mais obscuras, o tributo garimpa Amo-te (mesmo) muito, canção lançada em 1979 pela desconhecida Aline, e Samba em paz, gravada em compacto por Caetano em 1965. Menos rara, Menino Deus, sucesso do grupo A Cor do Som que ganhou a voz do autor no disco A Cor do Som Acústico (2005), ganha profundidade no registro voz e piano de Cláudia. Louco por você, blues em a Roberto Carlos lançado no indispensável Cinema Transcendental (1979) garante o melhor momento deste tributo. Canções como Luzes, gravada pelo grupo Nouvelle Cuisine em 1991, e Duas Manhãs, lançada no disco Vanusa 30 Anos em 1977, demonstram o quanto Cláudia correu atrás do que foi menos ouvido na obra de Caetano Veloso. Muitos estarão ouvindo-as pela primeira vez neste tributo, o que é muito bom, uma vez que esta cantora soube dosar seu canto na medida e provar o quanto ela é imprescindível para os fãs da boa MPB.