Discografia

A Batucada tem nome

Por Thiago de Sousa (thiagosousa@opovo.com.br)

Com voz, jeito de garoto e um respeito – admirável – pelos mais velhos, Adriano Ribeiro lança seu primeiro CD, dando vida às suas composições. Ele que já teve várias de suas composições cantadas por grandes nomes do samba brasileiro, agora dá forma ao seu talento. Batucada é um CD quase 100% autoral, se não fosse por três músicas: Beijo de Língua (Jefferson Junior e Umberto Tavares); Reza Vela, do grupo O Rappa; e Timidez, do Biquíni Cavadão; que, diga-se de passagem, o garoto interpreta muito bem. Com composições próprias, Adriano Ribeiro mostra em 16 faixas que não é só mais uma voz no samba, mas sim um cantor com mente e coração em sintonia.

Adriano já gravou para vários grupos do samba brasileiro como Fundo de Quintal, Turma do Pagode, Sorriso Maroto e Bom Gosto. Vou pra batucada abre o disco de uma forma bem bacana, começando com um clima romântico com uma história de uma desilusão amorosa e de repente pula para um batuque contagiante. O Discografia teve o prazer de conversar com Adriano Ribeiro para saber um pouco mais sobre sua carreira. Confira:

Discografia – Quem é Adriano Ribeiro?
Adriano – Sou um eterno sonhador, uma pessoa muito alegre, que resolve os problemas com um sorriso no rosto. Não me arrependo de nenhuma dificuldade que passei na vida, elas me ajudaram a chegar onde estou hoje. Agradeço a todos os que me ajudaram. Enfim, sou uma pessoa muito do bem. Amo minha família e amigos. Amo o samba.

Discografia – Apresente-nos o Batucada.
Adriano Ribeiro – Depois de ter o prazer de gravar para tantos artistas, estou lançando o meu primeiro CD. O Batucada é um trabalho feito com muito carinho, dedicação, amor e respeito. Com muitas músicas de minha autoria, juntamente com o meu parceiro Carlos Caetano.

Discografia – Como começou a tua história com o samba? Como foram os primeiros contatos com a música?
Adriano – Eu cantava na banda Brincando de Samba quando tinha uns 13 pra 14 anos, quando a banda se desfez, as minhas autorias já estavam se tornando sucesso com outros cantores. A partir daí me dediquei ainda mais as composições. Logo os amigos começaram a me cobrar um disco solo. Eles diziam “Chegou tua vez de gravar”.

Discografia – Você tem inúmeras composições… Boas composições… Onde você busca inspiração? Como é o teu processo de composição?
Adriano – Não tenho fórmulas para compor. As minhas motivações são os amigos, as situações do dia-a-dia. Enfim, eu gosto de compor de uma forma bem natural. Deus manda pra mim uma mensagem, uma inspiração, eu vou lá e escrevo.

Discografia – Você teve músicas gravadas pelo Fundo de Quintal, Sorriso Maroto, Bom Gosto Turma do Pagode e outros. Como é ver sua música sendo cantada por bandas de renome no samba brasileiro?
Adriano – É prazeroso demais, por que além de dar vida às minhas composições, eu me sentia muito bem em saber que também estava contribuindo para a carreira de outros artistas. De uma forma geral, isso é muito gratificante.

Discografia – Qual a importancia do seu parceiro Carlos Caetano na sua carreira?
Adriano – O Caetano foi e é meu parceiro no processo autoral. Ele foi o principal motivador para minhas composições, e também o que mais me cobrava para gravar um CD.

Discografia – No teu DVD, o Arlindo Cruz faz uma declaração muito bacana. Ele foi uma de suas inspirações para compor e cantar esses sucessos?
Adriano – Ele foi uma. Se não a principal. O Arlindo é uma referência no samba popular brasileiro e eu, como um novo talento, tinha que ter essa voz como referência.

Discografia – Como está a agenda de shows para esse ano?
Adriano – Estamos viajando o Brasil inteiro com o Batucada. Está sendo muito bacana ver os shows lotados, a galera marcando presença. A aceitação do público está sendo muito boa. Fico muito grato com tudo isso. Em breve, estaremos aí em Fortaleza, percorrendo o Nordeste.

Discografia – Porque o nome Batucada?
Adriano – Bom, o samba é batucada. É minha identidade, só vivia batucando desde criança. Não encontrei outra palavra melhor pra nomear esse meu primeiro CD.