Respirando Música

Tudo que rolou no show dos Raimundos no Bomja Rocks

15 2

E também  entrevista com o Digão dos Raimundos e Talles Lucena (Panela Rock) 

Foto: Gandhi Guimarães

Foto: Gandhi Guimarães

 

O Festival  por Natercia Melo

O blog foi gentilmente convidado pelo Panela Rock  para prestigiar o Festival Bomja Rocks e não perdemos tempo, eu , Jéssica Nayanne e nossa querida amiga  Jéssika Sisnando fomos conferir tudo.

Eu desconhecia totalmente a existência do Bomja Rocks, e por isso fiquei encantada com a proposta do evento.  Com objetivo de dar destaque as bandas independentes da periferia que dificilmente iriam tocar em um festival, tipo bandas desconhecidas do público em geral, mas com potencial para fazer bonito diante de quem curte o som, essa é a proposta principal.  O Bomja Rocks  estava com estrutura gigantesca, com dois palcos para receber as bandas e tudo muito bem organizado para receber todos que foram prestigiar o melhor do underground cearense na última sexta-feira (18.05).

Nada mais justo que conversar com um dos organizadores para  entender melhor .  Confere ai o papo que tivemos com o Talles Lucena :

      1.  Como partiu a ideia de fazer o Bomja Rocks e quanto tempo tem o festival?

 Talles Lucena: O festival surgiu ano passado, quando nós do Panela fomos convidados a montar uma        programação pras bandas de rock da cidade dentro da grade de shows do CCBJ. Daí, em menos de 6 meses, já lotavamos os shows, e eu criei uma edição especial com bandas de várias partes de Fortaleza e, pela primeira vez, grupos de outros estados. O trabalho foi sendo mais reconhecido e nós conseguimos gravar o DVD coletivo do Panela Rock  lá. 

   

2. Inicialmente o local esse ano seria no bairro Bom Jardim (como as edições anteriores). Pode me falar o motivo  para o qual o evento fosse transferido para a Praça Verde?

Talles Lucena: Essa foi a primeira edição “gigante” do festival. Eu já vinha organizando desde setembro do ano passado, e o evento foi pensado para acontecer no estádio do Bom Jardim. Infelizmente, não tive as garantias que pedi para um evento desse porte acontecer com segurança para todos. Então, resolvi mudar o local para não pôr ninguém em risco. Creio que consegui, mesmo não tendo feito o show no próprio bairro, manter o foco do festival e o argumento da mostra de visibilidade do Bom Jardim (do qual o Bomja Rocks faz parte) foi respeitado.

3. Como foi realizada a votação que selecionou a banda Raimundos merecido do Prêmio PESO ? 

Talles Lucena: Ano passado, o prêmio PESO, que é criado e pensado pelos meninos da CUNDER (cooperativa underground do BJ) foi entregue durante o show do Serguei. De lá pra cá, eles já vinham montado a edição de 2012 paralelo ao meu trabalho de produção do festival. Assim como o Serguei, o Raimundos foi a banda homenageada pois foi a que eu escolhi para ser o headliner do festival. Estamos trazendo grandes nomes do rock brasileiro pra cá, e os mesmos vai sendo homenageados. Cada headliner é pensado coletivamente, em nossas reunioes, e quem é escolhido pra tocar é naturalmente homenageado.

4. Qual foi o diferencial esse ano? 

Talles Lucena: Tudo. Passamos de uma programação regular para um festival que caminha para sua consagração dentro do calendário da cidade. Isso é muito importante. Não temos um grande festival no primeiro semestre, espero que a gente consiga manter essa proposta. 

5. E qual o saldo do Bomja Rocks 2012?

Talles Lucena: Foi tudo muito lindo. Conquistamos mais fans para nossas atividades e fizemos o que eu já considero ” o maior show de rock ” que a praça verde já viu. Cerca de 5 mil pessoas em harmonia, sem confusão, curtindo o super show dos Raimundos. Levantamos 4 toneladas de comida para doação. Entregamos o prêmio PESO. Enfim,  foi tudo super lindo. 

6. Quais os próximos projetos do Panela Rock.

Talles Lucena: Temos vários shows agendados, como o “Velhas Virgens” em agosto. Mas até lá, algumas bandas passarão pela cidade e com o apoio da Casa Fora do Eixo Nordeste estamos tendo condição de montar esses shows com os novos nomes do rock nacional. Ainda virão o festival no CUCA, o festival ROCK ATÉ OS OSSOS e o nosso PANELA ROCK, todos no segundo semestre.  Muito trabalhopra vir ainda! Pra quem não conhece, só acessar nosso site pra conferir a agenda: www.rockpanela.com

 

 

Show por Jéssica Nayanne

Olá pessoas que fazem parte dessa Fortaleza do rock que fervilha na nossa cidade. Estou com a difícil missão de transcrever o show do Raimundos.
Difícil porque a banda subiu no palco com um triângulo na mão e uma energia que infelizmente não dá para explicar em palavras, somente sentir. Quem estava lá sentiu aquilo que nos fazia arrepiar que denominarei aqui de: a personificação do rock and roll. Ali vimos o rock, sentimos o espírito desse ritmo devastador, batemos cabeça como nunca e cantamos todas as canções como se aquele fosse o último show de nossas vidas.
Foto: Karla Queiroz
Além da energia infindável da banda e sua presença de palco, a platéia fez um show a parte. Com muitos braços, grandes rodas punks e um coro afinadíssimo o público fez Digão se emocionar em vários momentos do show. O vocalista agradecia o público por lhe proporcionar tamanha alegria. E já que as emoções estavam a flor da pele de todos, a galera do Bomja Rocks não perdeu a oportunidade e fez uma linda homenagem a banda, entregando durante o show o prêmio PESO. Digão afirmou ali, que aquele era um prêmio que tinha uma importância especial para banda, afinal ele representa verdadeiramente que o rock genuíno não morreu.
Era perceptível a descontração e a alegria do Raimundos. Os meninos estavam tão a vontade que fizeram até cover de Ultraje a Rigor e de uma balada romântica, com direito a gutural, da música de George MichaelCareless Whisper  hahaha.
Bom, no mais o show foi intimista, parecia até que todos que ali estavam faziam parte de uma grande família do rock. E isso amigos, foi lindo e emocionante de presenciar 🙂

Depois de toda essa emoção o Respirando Música ainda teve coração para conseguir uma entrevista com o SEU LINDO e simpático do Digão. HAJA CORAÇÃO para nós, disse Galvão Bueno a nossa equipe antes de conseguirmos entrar no camarim.
Perguntei de cara como foi receber o prêmio PESO e o que essa homenagem representou e Digão disse:
-“Muito emocionante as pessoas terem essa consideração por você. Pra mim, isso é muito sério sabe?”
Aproveitei a deixa e questionei  sobre o fato do Raimundos ter sido uma banda escolhida pela periferia de Fortaleza através de votos para vir fazer essa festa, afinal sabemos da existência de um pensamento que ainda subestima a existência de uma vida rock and roll por lá, e perguntei para Digão se isso tinha um peso maior no prêmio. Com muita sinceridade e vigor ele respondeu:
-“Você tocou no ponto certo! O rock é vida, o rock nunca vai sair dali(a periferia), nada vai matar, não adianta. Ninguém vai matar o rock não véi!
          Todas as modinhas vão passar e rock vai ficar!”
E aí que depois dessa frase simples, direta e super verdadeira eu quase desmaiei de tanta emoção. E foram essas as minhas impressões sobre o show do Raimundos e seu público, que claramente não querem “tchu”, muito menos “tcha”, eles querem mesmo é ver o OCO!
Confere o vídeo (pouco barulhento rs ) da entrevista:

Beijos sonoros do rock preto pra vocês :*
Equipe Respirando Música

Recomendado para você