Ancoradouro

MPCE e "Dama do Bem" são contra liberação do consumo de álcool nos estádios

No Ceará, o deputado Evandro Leitão é o relator de dois projetos que visam a liberação da venda de bebida alcoólica nos estádios. Na última quarta-feira, dia 24, foi requerida uma audiência para discutir o assunto. Ao final ficou decidido criar uma nova proposta baseada nas duas existentes para regulamentar a venda desta droga lícita.

Enquanto alguns deputados estaduais pretendem retornar com o consumo do álcool nos estádios durante os jogos, o Ministério Público do Ceará -MPCE, através de seu representante para o assunto, promotor de Justiça Francisco Xavier Barbosa Filho,  e a presidente da Comissão de Políticas sobre Drogas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Rosana Brasil, se posicionam contrários a esta tentativa de trazer o álcool para os jogos. Pelos diversos trabalhos de prevenção nesta área Rossana ficou conhecida como a “Dama do Bem”. 

Dama do Bem  é contra o álcool nos estádios.

A CBF publicou uma resolução em 2008 proibindo a comercialização desta droga lícita. O MPCE  é a favor desta decisão da União também vigente no Estatuto do Torcedor, “que veda a entrada do torcedor com bebidas ou outras coisas que possam fomentar ações violentas”. 

Para Rossana Brasil,em acordo com estudos feitos sobre o álcool e outras drogas “onde há briga e confusão, tem álcool e droga no meio”. A presidente da comissão também argumenta que, “o álcool distorce sentidos. Manda os filtros dos instintos às favas”.

Evandro Leitão, de acordo com matéria publicada no O Povo, “taxou de hipocrisia a negativa à comercialização de álcool”. Rossana rebate: “hipocrisia  é fomentar a violência e o ódio dentro dos estádios”. “Todas as leis que já foram aprovadas [na tentativa de liberar o álcool nos estádios] , em âmbito estadual, estão sendo questionadas pela Procuradoria Geral da República quanto à sua constitucionalidade. E, com toda a certezas, elas serão derrubadas. Pois se já existe uma lei federal, no caso o Estatuto do Torcedor, que aborda a mesma questão, não é atribuição do legislativo estadual mudar isso”, esclarece o promotor de justiça.

A principal alegativa do pró-álcool é o interesse econômico. Sobre isso o Promotor de Justiça presente à audiência deixou um questionamento: “a quem interessa a venda de bebida nos estádios?” Rossana é mais contundente:”o lobby do mercado econômico para a liberação do álcool quer destruir com clareza as famílias e os jovens “. Ainda segundo a advogada o ideal seria que os parlamentares investissem em educação, que funcionaria como prevenção à violência recorrente que se observa nos jogos de futebol.

O Promotor de Justiça Francisco Xavier expôs a contradição do interesse das casas parlamentares. Por um lado reconhecem os malefícios do álcool e demais drogas, tanto que existe uma lei municipal que proíbe o comércio de bebida no entorno dos ginásios e o projeto “Ceará Sem Drogas” da Assembleia Legislativa. “Logo, os legislativos municipal e estadual já têm posicionamentos claros reconhecendo os efeitos nocivos do álcool e destacando que o seu consumo excessivo precisa ser combatido. A liberação da venda de bebidas alcoólicas nos estádios cearenses seria uma ação totalmente contraditória tanto da Assembleia Legislativa, como da Câmara dos Vereadores de Fortaleza”.

 

 

 

Recomendado para você

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − nove =