Clube da Luta

O UFC 138: Pit bull, Barão e Munoz fazem a festa da torcida brasileira

O UFC 138, realizado nesse sábado no LG Arena em Birmingham, Inglaterra teve um saldo muito positivo para os lutadores brasileiros. O evento, que não possuía um dos cards mais estrelados, sendo formado em maior parte por lutadores ingleses, não decepcionou, pelo contrário, apresentou excelentes lutas desde o card preliminar com lutas dinâmicas e bem casadas. Já no card principal, todos os lutadores partiram para a decisão. Ninguém quis deixar nas mãos dos juízes, resultando em lutas rápidas, trocação franca e num show de finalizações.

Pit Bull conseguiu sua primeira vitória por finalização sobre o marrento Abedi

O Cearense Thiago “Pitbull’ Alves (faixa preta em muay thai pelo Mestre Evilázio Feitoza) fez a terceira luta principal do evento contra o invicto e também estreante no UFC Papy Abedi. Thiago “Pitbull’ novamente apresentou problemas para bater o peso da categoria e apesar de ser considerado o favorito, vem apresentando um desempenho irregular, aquém das atuações que o fizeram ser um dos lutadores mais queridos e temidos da categoria até 77kg. Iniciada a luta, o provocador lutador congolês acreditou mais do que deveria na sua técnica de trocação, até surpreendeu acertando bons golpes, mas não resistiu à potência de “PitBull” que, após aplicar um knockdown, conseguiu sua primeira vitória por finalização no UFC. Uma vitória importante para que o cearense se restabeleça entre os tops da categoria e recomece sua busca pelo cinturão.

Renan Barão mais perto da disputa do título

Na segunda luta mais importante do evento, Renan Barão (parceiro de José Aldo e faixa preta de André Pederneiras) lutou contra o inglês Brad Pickett e contra toda a torcida que lotou os 30 mil lugares do LG Arena. Aceitando a trocação, e conseguindo impor seu jogo em pé, Renan Barão mostrou mais uma vez a força da Equipe Nova União. Com agressividade e técnica apurada, Renan atordoou Brad Pickett com uma joelhada e finalizou o inglês com um mata-leão ainda no primeiro round, calando a torcida inglesa.

Muñoz vs Leben

Na luta principal da noite, Mark Muñoz e Chris Leben fizeram a primeira luta com duração de 5 rounds sem valer cinturão pela organização UFC, uma mudança proposta pelo evento e que deverá acontecer em todas as lutas principais a partir de agora.

Muñoz vingou os brasileiros, mas agora quer lutar com Anderson Silva. Como é que pode?

Chris Leben estava com a moral elevada após nocautear Wanderlei Silva em apenas 27 segundos no (triste) UFC 132, e já pensava em uma disputa pelo cinturão dos médios contra Anderson Silva, antes mesmo de lutar contra o excelente wrestler Mark Muñoz. Muñoz vinha embalado pela vitória sobre Demian Maia e com uma missão (pelo menos para nós, fãs) de vingar a derrota de Wanderlei Silva, visto que ambos são parceiros de equipe e treinados pelo Mestre Rafael Cordeiro.

O combate foi dominado inteiramente por Mark Muñoz, que usando de estratégia, não se arriscou muito na trocação de curta distância e investiu no que faz de melhor, derrubando e castigando Leben no ground and pound. A surpresa ficou por conta das quedas que Chris Leben conseguiu aplicar em Muñoz, mas que também tiveram seu preço. Ao final do segundo round, era nítida a diferença de preparo físico entre os dois lutadores. Leben definitivamente não estava pronto para aguentar aquela pressão por mais um round quanto mais por cinco.

Os socos aplicados por Muñoz abriram um profundo corte no supercílio de Leben, obrigando o médico responsável a interromper o combate no intervalo entre o 2º e 3° rounds, garantindo a vitória de Mark, que, ao ser entrevistado após o combate, pediu uma luta pelo título contra o campeão Anderson Silva “Eu já o conheço e o respeito muito. Treinamos juntos, em outra ocasião. Apesar disso, acho que mereço e quero lutar pelo cinturão dos médios do UFC”.

Anderson Silva já declarou várias vezes que não luta com parceiros de treino. Resta esperar o que virá a seguir, pois apesar de não ter nada acertado, o mais provável é que ocorra a revanche entre Anderson e Chael Sonnen.

Destaque

Vale destacar o melhor nocaute da noite, realizado pelo inglês estreante no UFC Che Mills sobre Chris Cope e a finalização relâmpago de Terry Etim sobre Edward Faaloloto.

Primeiro evento de uma série com a presença de brasileiros que ainda está por vir, a noite se iniciou com o pé direito, ou melhor, com o joelho direito de Renan Barão. Após aplicar o knockdown e uma sequência de socos no ground and pound, finalizou o inglês Brad Pickett, com um mata-leão aos 4:09 do primeiro round.

Card Principal:

Mark Muñoz venceu Chris Leben por interrupção médica aos 5’ do 2º round.
Renan Barão finalizou Brad Pickett, com um mata-leão, aos 4’09” do 1º round.
Thiago “Pitbull’ Alves finalizou Papy Abedi, com um mata-leão, aos 3’32” do 1º round.
Anthony Perosh finalizou Cyrille Diabate, com um mata-leão, aos 3’09” do 2º roud.
Terry Etim finalizou Edward Faaloloto, com uma guilhotina, aos 17” do 1º roud.

Card Preliminar

John Maguire venceu Justin Edwards, na decisão unânime dos jurados.
Phil De Fries venceu Rob Broughton perdeu, na decisão unânime dos jurados.
Michihiro Omigawa venceu Jason Young, na decisão unânime dos jurados.
Che Mills venceu Chris Cope, por um nocaute, aos 40” do 1º round.
Chris Cariaso venceu,Vaughan Lee, na decisão unânime dos jurados.

Recomendado para você

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três + três =