Clube da Luta

UFC considera nocaute legal de Travis Browne em Gabriel Napão. Treinador do brasileiro diz que vai recorrer à NSAC

mma_travisbrowne_gabrielgonzaga_get_62

Americano derrotou brasileiro com nocaute ainda no primeiro round. (Foto: Getty Images)

O resultado polêmico da luta entre Gabriel Napão e Travis Browne no evento que marcou a final do TUF 17, no último sábado (13), ainda promete bastante discussão. As cotoveladas do americano foram consideradas normais pela organização do UFC, mas a equipe do brasileiro prometeu recorrer. O Blog Clube da Luta entrevistou o árbitro cearense Fernando Moura, que analisou a atuação da arbitragem na luta.

Dana White, presidente do UFC, disse ter revisto os golpes e concordou com o resultado. “Eu vi a luta novamente ao lado de Joe Silva, e nós dois achamos que as cotoveladas laterais acabaram com a luta. Com Napão já nocauteado, Browne acabou acertando mais dois golpes na parte de trás da cabeça. Esses golpes não foram determinantes para o resultado, na minha opinião. Vocês sabem como eu ajo quando acho que um juiz errou. Mas dessa vez acho que ele fez um bom trabalho, e não vi nenhuma irregularidade que tenha influenciado o resultado da luta”. O nocaute, considerado legal para organização, premiou Travis Browne com o bônus de $50mil (cerca de R$ 100 mil) pelo “Nocaute da Noite”.

Insatisfeito com a maneira como o brasileiro foi derrotado, o técnico de Napão, Marco Alvan, fez reclamações logo após a luta e disse que vai recorrer à Comissão Atlética de Nevada. “Vamos recorrer com a NSAC, pois achamos que foram ilegais as cotoveladas na nuca. Sempre aceitei qualquer derrota que tivemos, mas essa foi ilegal. O Napão agradece pelo apoio”, disse.

 

Na coletiva depois do evento, Browne disse que não teve a intenção de desferir golpes ilegais no brasileiro. “Eu sempre lutei limpo no cage e o juiz estava logo ali, viu tudo de perto e não questionou a legitimidade do nocaute”.

Blog Clube da Luta ouviu o profissional cearense Fernando Moura, árbitro certificado por Mario Yamasaki e que tem 20 eventos no currículo no Norte/Nordeste. Fernando analisou o lance e opinou sobre a atuação arbitragem no combate. “Eu achei que foi ilegal. As cotoveladas iniciais foram muito duvidosas. O árbitro deveria ter advertido verbalmente na primeira cotovelada aplicada. Consequentemente, as seguintes, que realmente foram ilegais, não teriam acontecido”.

Em tempo

Vendo e revendo, é possível perceber que as últimas cotoveladas desferidas pelo americano realmente atingiram a nuca do brasileiro. E você, acha que as cotoveladas de Travis Browne em Napão foram legais ou ilegais?

Recomendado para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *