Discografia

Sujeito (não tão) estranho

Quando Ney Matogrossso surgiu na cena musical brasileira, no início dos anos 70, o clima de espanto tomou conta. Figurinos exóticos, muita maquiagem e um rebolado inconfundível. Quase 40 anos depois, reconhecido como um dos melhores intérpretes brasileiros, ele pode dar folgas eventuais para aquela imagem e exibir sua voz inconfundível. Foi isso que aconteceu na última sexta-feira (13), quando ele subiu ao palco do Siará Hall para apresentar seu show Beijo bandido (fotos de Marcus Campos), com promoção do O POVO, comemorando o aniversário da Rádio Atlântico Sul FM.

Acompanhado por Leandro Braga (teclados e direção musical), Felipe Roseno (percussão), Lui Coimbra (violão e violoncelo) e Alexandre Casado (violino e bandolim), Ney iniciou a apresentação com afago no ego cearense cantando Tango para Tereza, de Evaldo Gouveia e Jair Amorim. Quem esperava todo o aparato de plumas e brilhos, pode ter ficado decepcionado quando o cantor apareceu em tons discretos usando blazer, blusa branca por baixo e gravatinha. Mas não precisou de muito tempo até ele soltar beijos para o público e, antes de De cigarro em cigarro, tirar o blazer usando e abusando da sensualidade. O público explodiu em gritos de “gostoso”.

Com o som da casa em ótima qualidade, Ney dedicou a primeira parte da apresentação ao disco que dá nome ao show, Beijo Bandido, lançado no ano passado. Por conta da voz nitidamente rouca, o cantor falou o mínimo possível. Isso não prejudicou a interpretação de Fascinação, Invento e A bela e a fera, todas elas emolduradas por um belíssimo e enorme painel exibindo cores e imagens. Momento especial em À distância, de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, com o fundo todo em azul.

A primeira despedida veio com 55 minutos, mas, pouco tempo depois, voltou com a salsa Incinero e seus requebros característicos. Seguiu com o rock Mulher sem razão e se despediu novamente. Como era de se esperar, o público fez campanha e Ney voltou dizendo: “Isso não faz parte do show. É um extra pra vocês. Um bônus”, e encerrou com Poema dos olhos da amada, Tema de amor de Gabriela e Fala, única de sua fase Secos & Molhados. Com pouco mais de uma hora de show, ele foi embora deixando claro que, na explosão ou na elegância, continua sendo Ney Matogrosso.

>> Set list:

Tango para Tereza (Evaldo Gouveia/ Jair amorim)

Da cor do pecado (Bororó)

Fascinação (Dante Marchetti/ Maurice de Feraudy/ V.: Armando Louzada)

Invento (Vitor Ramil)

De cigarro em cigarro (Luiz Bonfá)

A bela e a fera (Chico BUarque/ Edu Lobo)

À distância (Roberto Carlos/ Erasmo Carlos)

A cor do desejo (Junior Almeida/ Ricardo Guima)

Nada por mim (Herbert Vianna/ Paula Toller)

Segredo (Herivelto Martins/ Marino Pinto)

Doce de coco (Jacob do Bandolim/ Hermínio Bello de Carvalho)

Medo de amar (Vinicius de Moraes)

Bicho de sete cabeças (Geraldo Azevedo/ Zé Ramalho/ Renato Rocha)

As ilhas (Astor Piazzolla/ Geraldo Carneiro)

>> Bis:

Incinero (Zé Paulo Becker/ Mauro Aguiar)

Mulher sem razão (Dé/ Bebel Gilberto/ Cazuza)

>> Bis 2:

Poema dos olhos da amada (Vinicius de Moraes)

Tema de amor de Gabriela (Tom Jobim)

Fala (João Ricardo/ Luli)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.