Discografia

Léo, da dupla, Victor & Léo comentam último trabalho

Por Thiago de Sousa (thiagosousa@opovo.com.br)

A Sony Music lançou o primeiro álbum nacional Mastered for iTunes no Brasil. A certificação Mastered for iTunes consiste em codificar os fonogramas digitalizados em 24 bits, enquanto a maioria das música obtidas na internet e extraídas de  CDs são codificadas em 16 bits. Esta especificação garante uma entrega melhor do áudio, e reproduz com fidelidade o trabalho dos artistas.

Esta novidade aconteceu com a chegada do novo disco da dupla Victor & Leo, Ao Vivo em Floripa, e disponibiliza aos fãs o download de 17 faixas com alta qualidade, incluindo os grande sucessos da dupla como Amor de Alma, Água de Oceano e Boa Sorte Pra Você. O álbum Victor & Léo – Ao Vivo em Floripa Mastered for iTunes pode ser encontrado aqui.

Um novo som e uma nova linguagem para o que seria, sobretudo, o novo sertanejo. É esse a conclusão a qual eu cheguei ao ver o novo trabalho da dupla Victor & Léo. No DVD, a dupla reúne sucessos novos e antigos do sertanejo-raiz, na voz de cantores atuais, como: Chitãozinho & Xororó, Zezé di Camargo & Luciano, Marciano, Nando Reis, Haroldo Ferretti (Skank), Pepeu Gomes, Paula Fernandes, Nice, Thiaguinho e Gabriel Grossi.

A dupla mostra que passeia, e muito bem por sinal, em qualquer gênero. As músicas de sucesso não poderiam faltar. Tem que ser você, Nova York e Sinto Falta de Você também fazem parte da noite. Em um bate-papo bem descontraído, Léo conversou com o DISCOGRAFIA e falou sobre o novo trabalho, carreira e sucesso da dupla sertaneja. Confira.

DISCOGRAFIA – Como surgiu a ideia do DVD em Floripa?
Leo
– Bom, a ideia surgiu no ano passado, quando estávamos sobrevoando Floripa e contemplando a paisagem da cidade. De lá pra cá a gente vinha falando sobre o Dvd, aí foi quando surgiu a oportunidade de tirar a ideia do papel. O público de Floripa ajudou bastante pra que isso acontecesse, pois eles passam uma energia muito boa pra gente.

DISCOGRAFIA – Qual a diferença do Victor e Léo lá do Primeiro Dvd, em Uberlândia (2007) para o ao vivo em Floripa, agora em 2012?
Leo
– O certo é que hoje estamos muito mais maduros. A cada trabalho que a gente faz notamos uma mudança, um crescimento. A gente não se prende naquilo que já conquistamos, mas nos prendemos naquilo que ainda podemos conquistar. Essa é a forma que a gente acredita de se manter no mercado, se manter atual.

DISCOGRAFIA – Vocês fazem uma misturada boa no palco com Chitãozinho & Xororó, Zezé di Camargo & Luciano, Nando Reis, Paula Fernandes, Thiaguinho… Como foi reunir tanta gente boa no palco?
Leo – Foi bom demais, mas confesso que foi complicado reunir esse timo num só dia. Essa mesclagem não foi feita a toa. Quisemos retratar a nossa essência nesse novo trabalho. Viemos de grandes influências musicais, mas de praças diferentes. De todas elas, a sertaneja é a principal, mas também temos influencias no Pop, Blues, Folk, enfim. É uma mistura que deu certo.

DISCOGRAFIA – De onde veio essa veia de fazer um sertanejo diferente conservando as raízes?
Leo
– Veio desde o princípio, bem no começo da carreira. Não foi uma coisa pensada, foi uma coisa natural, nós sempre tivemos a característica de inovar. O Victor costuma dizer que a gente fica de olho nas modinhas pra fugir delas. Buscamos sempre inovar e levar ao público originalidade e uma musicalidade sem perder a velha e boa raiz sertaneja. O sertanejo pra gente é originalidade e cultura. Quem bebeu dessa água, jamais perde o sabor.

DISCOGRAFIA – Ao que vocês atribuem tanto sucesso e aceitação do público?
Leo
– Olha, é uma junção de várias coisas. Você tem que saber entender aquilo que as pessoas querem, tem que saber escutar. Para permanecer no mercado você tem que ser razão e emoção. Se você canta verdadeiramente e se emociona, essa emoção é repassada para o público. A música tem que ser cantada com o coração.