Blog do Jocélio Leal

Fortaleza – Multa barata é estímulo para abusos

1302 3

O vídeo com o descarte irregular circulou nas redes sociais (Foto: Leitor via Whatsapp)

Fortaleza – Afora o abuso cometido, o descarte de entulho no mar, o que mais chama a atenção no episódio verificado no Iate Clube de Fortaleza é o valor das multas aplicadas pela Prefeitura. Baratinho. Merreca. A Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis) autuou o estabelecimento em R$ 2.601,52 por “descarte indevido” de material. Já uma reforma sem autorização gerou outra multa, de R$ 259,71.

O repórter Matheus Facundo, do O POVO, conta que a Agefis enviou nota afirmando que o despejo de entulho é irregularidade grave segundo a lei municipal número 10.340, de 2015. Já a obra não autorizada descumpre a lei número 2.530, de 1981, e foi contra o Código de Obras do Município.  Leia mais aqui

Recomendado para você

3 Comentários

  • Fernando disse:

    Que tal autuar ou multar, quem joga lixo na minha rua também.
    Ou Só o sócio do iate merece ser multado?
    A rua ministro gentil barreira com tabelião Joaquim Coelho é um lixao a céu aberto, cadê o poder público?
    Cadê a regional 6?
    Cadê a prefeitura?

  • Jogar com o dinheiro do outros é MUITO BOM, mas, ter a sensibilidade e honestidade de cobrar do Poder Publico não faz parte dos “editoriais”.
    SE a população coloca lixo nas ruas, é porque o Poder Público desviar todo o dinheiro arrecadados para outra finalidade com: Bandas, festa etc. etc.
    A cidade de Fortaleza como curral ou Laboratório experimental de todas as doenças oriundas dos séculos passados, não cabe somente a população a responsabilidade, poque a Prefeitura não faz a sua parte.
    A população paga um absurdo pela iluminação pública de somente um poste em sua rua ou quarteirão (quando tem), o caminhão do lixo não leva tudo.

  • Costa disse:

    Sugiro ao valoroso colunista um passeio pelo Dionísio Torres… Na rua Antônio Furtado, um lixão nos dois lados da rua ao lado daquela loja onde Um Lixão é um Lixão… Se o velho Gerardo Bastos fosse vivo, não permitiria uma imundície daquelas. Ou na Professor Francisco Gonçalves, quase esquina com Virgílio Távora, outro lixão criados pelos carroceiros adorados pelo prefeitinho e seu inútil secretário regional.

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *