Leituras da Bel

Leia “Quarentena”, texto da escritora cearense Zélia Sales

Quarentena
Por Zélia Sales

Para Renato Pessoa

Livraria Lamarca estará na Bienal Internacional do Livro do Ceará (Foto: Alex Gomes)

A rua está vazia
Há uma casa, o muro baixo
Uma janela, a cortina recuada
O poeta escreve
Não há mais saraus
Não há mais aulas.

No Conjunto Ceará
No Benfica
As ruas estão vazias
Os bares estão fechados
A Lamarca está fechada
Tudo é silêncio e medo.

Mas dentro do seu peito
São tantas vozes
Sua alma grita
O poeta sofre e ama e teima
Insiste em cavar

E todo dia ele morre.

***

Zélia Sales
Já fez algumas conquistas na vida e diz que uma das mais ousadas é escrever, publicar, chegar ao leitor, que é sua maior motivação. É formada em Letras e atua na formação de leitores em escolas públicas. Nas voltas que o mundo deu, virou também dona de casa, esposa, mãe, escritora. Enquanto escreve, corrige redações, refoga um frango, procura os filhos pelo Whatsapp. Acredita que escrever é assumir uma conduta subversiva. Ela integra o livro Relicário – produção comemorativa pelos 30 anos do caderno Vida&Arte.

***

Recomendado para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *