Veia Esportiva

Superar os limites do corpo e correr para a vida

583 1

(Foto: Arquivo Pessoal)

Francisco Iranildo Anastácio, 42, é casado com Maria Madalena do Nascimento Anastácio, 39, e tem um casal de filhos. Felipe do Nascimento Anastácio, 18, e Millena do Nascimento Anastácio, 7. Iranildo trabalhava como carpinteiro numa empresa e levava uma vida considerada sedentária, pois não praticava nenhum tipo de atividade física ou esportiva. Muito por causa da rotina corrida de trabalho.

Iranildo e sua família (Foto: Arquivo Pessoal)

Ele costumava ir para o trabalho de moto, transporte que representa 27% (97 milhões) da frota de veículos segundo dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), de 2017.

Mesmo sendo 1/3 da frota, no ano passado, as motos foram responsáveis por 74% das indenizações do Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT).

Números divulgados em agosto deste ano, pela Seguradora Líder, responsável pela gestão do Seguro DPVAT, em Boletim Especial para a Semana Nacional de Trânsito, mostram que, dos 170.925 motoristas indenizados (de janeiro a dezembro de 2017), 149.415 foram motociclistas.

(Foto: Reprodução/DPVAT/Líder)

E foi em cima de sua moto que tudo começou a mudar. Iranildo entrou para as estatísticas e sofreu um grave acidente que resultou na perda da sua perna direita.

O acidente

Após chegar em casa do trabalho, em 2008, Iranildo resolveu sair com sua esposa. Ele estava na via quando o motorista do carro fez uma conversão para a esquerda, atingindo sua a perna direita. O acidente ocorreu na Avenida Perimetral, em Fortaleza.

Por conta da gravidade dos ferimentos, Iranildo ficou dois meses internado. Durante os 60 dias de internação, contraiu uma infecção na perna direita, que teve que ser amputada.

Por causa do acidente, ele ficou afastado do trabalho por um ano. Mas tudo isso não tirou a vontade de viver de Iranildo, que aceitou sua condição de deficiente físico e alçou voos mais altos do que antes, tornando-se paratleta.

(Foto: Divulgação)

O convite

Givanildo da Silva Lima é professor de atletismo e treina pessoas com deficiências físicas no município de Pindoretama, a 47,3km de distância de Fortaleza. Depois do acidente, Iranildo começou a praticar algumas modalidades esportivas por influência do professor.

Iranildo, então, saía de sua casa duas vezes por semana para treinar em Pindoretama com Givanildo. Ele começou a praticar arremesso de peso, lançamento de dados e lançamento de disco. A rotina de treinos era puxada não só por causa do condicionamento físico mas, também, pela distância.

Em 2012, Iranildo conquistou duas medalhas de bronze, no lançamento de dados e disco, no Circuito Loterias Caixa Brasil Paralímpico, etapa Norte/Nordeste, em Fortaleza. E ainda ficou em 4º lugar, no arremesso de peso, na mesma competição.

Em 2015, Givanildo convidou Iranildo para participar de uma corrida de rua e, de cara, ele aceitou o desafio. Como já treinava outras modalidades, o preparo físico estava em dia. A partir daí, Iranildo começou a gostar das corridas de rua e passou a se dedicar apenas a elas.

(Foto: Arquivo Pessoal)

Corridas de rua 

Atualmente Iranildo trabalha como caixa de estacionamento na mesma empresa onde trabalhava como carpinteiro e mantém a rotina de treinos para as corridas de rua. Os treinos são feitos todos os dias ao chegar do trabalho, numa praça perto de sua casa.

Iranildo já participou da Corrida Runlloween (em Cascavel), Night Run (em Fortaleza), Corrida Unimed, Corrida Cross Urbano Caixa, Meia Maratona Cometa, Cascatrail (em Cascavel), Corrida Uniforça, entre outras e já conta com 68 medalhas de participação em corridas de rua.

Com o auxílio de moletas, o paratleta costuma correr entre 5 e 6 km, em cada prova. É uma verdadeira superação em cada corrida. Esta será a primeira vez que participará da Corrida O POVO, correndo 7,5km. A prova será no dia 8 de dezembro, na Avenida do Aeroporto, às 19 horas.

Como nunca correu 7,5km, as expectativas de Iranildo estão altíssimas para esta corrida. Ele conta que adora desafios e que espera concluir todo o percurso, que será uma grande conquista pessoal.

O Sonho

Iranildo coleciona corridas e medalhas em todas as provas que compete. Como corre com auxílio de moletas, leva mais tempo para concluir as provas.

Nesta próxima corrida que irá disputar, Iranildo pretende superar seus próprios limites e completar os 7,5km no menor tempo possível. Ele relata que seu maior sonho é poder correr com próteses apropriadas para competições.

“Com as próteses melhoraria o meu desempenho e não me maltratava tanto, os braços e pernas”, relata.

Iranildo segue como exemplo de superação e mostra que cada modalidade esportiva praticada leva alegria, movimento e mais vontade de viver.

A torcida é para que ele possa concluir mais este desafio.

O blog Veia Esportiva acompanhará a expectativa pela conquista de sua prótese adequada para competições. Benefício não somente para seu desempenho nas corridas de rua mas, também, para a sua saúde e condicionamento físico.

 

Recomendado para você