Ancoradouro

Saramago em nova fase do ateismo

O escritor José Saramago afirma que deixou de ser um ateu tranquilo e passou a militar naquilo que – diríamos – acredita. Recentemente tem feito severas críticas à Igreja, ao Papa e à Bíblia, segundo ele é um livro do qual não deveríamos nos aproximar.

Saramago tem todo o direito de se expressar, contudo, sua luta é falida, pois outros tão inteligentes quanto ele já profetizaram a morte de Deus com o advento da ciência, da tecnologia, do novo século… e nada. Deus está mais vivo do que nunca, redundantemente falando.

Deus está vivo no coração de milhões de pessoas que fazem experiência com o seu amor pessoal. A Igreja rejuvenesce a cada época histórica, surgem novos carismas, novas formas de anunciar e testemunhar o mesmo e único Evangelho da salvação.

Atiram-se pedras em árvores que dão frutos. É o que acontece com a Igreja, uma frondosa árvore que produz fruto e sombra para a humanidade cada vez mais perdida e esmagada sob o peso do relativismo prático.