Ancoradouro

Procuradora Participava de Seita Satânica

O Brasil tem acompanhado  perplexo o caso de violência contra uma criança por parte de uma procuradora que a adotou. A história ganhou um agravante, uma voluntária do conselho tutelar que acompanhar o caso de tortura da pequena T, afirmou em depoimento que Vera Lúcia pertenciaria a uma seita satânica.

Assim noticia o blog Notas e Destaques , RJ: “Ela (a denunciante) alega que a procuradora possuía muitos vodus e bonecos com rostos desfigurados e descreve a cena: “Na mesa havia cartas e um punhal, que neste ritual significa: sacrifício, morte”. “Creio que T. foi escolhida para ser oferecida em sacrifício. A intenção da senhora Vera era de matar a criança. Rituais eram feitos na casa, como banhos de canjica, e a criança não podia ter contato com a água”.

O Ministério Público investiga o caso. A procuradora encontra-se foragida. Os casos de satanismo envolvendo sacrifícios humanos estão cada vez mais frequentes. Temos o retorno da práticas primitivas e condenáveis por sua natureza macabra e hedionda.

Recomendado para você