Discografia

Em autobiografia, Nick Mason dá sua versão sobre o Pink Floyd

Depois de um longo e relaxante período de férias, estou de volta ao DISCOGRAFIA para contar algumas novidades (ou nem tanto) sobre o mundo da música. O que não for tanta novidade, desculpem, nem sempre é possível acompanhar tanta coisa que anda acontecendo por aí. Pra hoje, por exemplo, o que temos nem é tanta novidade assim, mas merece o registro. Ponta de lança de um período dourado do rock internacional, o Pink Floyd constriu um séquito grandioso de fãs que, mesmo depois de décadas do fim da banda, permanece fiel. Talvez isso aconteça por que eles nunca acabaram de fato. Uma briguinha ali, outra alfinetada acolá, e o grupo foi dando um tempo na relação para dar seguimento a uma série de trabalhos solo. Pra se ter uma ideia, a última vez que David Gilmour, Nick Mason, Roger Waters e Richard Wright se encontraram num mesmo disco foi há 33 anos, no mega projeto The Wall (o vocalista e guitarrista Syd Barrett deixou a banda em 1972). Ainda assim, o tempo não impediu que um projeto recente e gigantesco de resgate da obra da banda fosse vitorioso (e olha que os preços não eram nada convidativos).

Da mesma forma, um catatal de livros sobre os “bastidores” do Floyd chega diariamente às livriarias. Por isso, é importante estar atento ao que se leva pra casa. Para os desavisados, segue então uma boa dica. O baterista Nick Mason resolveu dar sua versão sobre os fatos em Inside Out: A verdadeira história do PINK FLOYD (assim mesmo, em caixa alta). Lançado pela editora Escrituras, o livro trata com humor e sarcásmo todo o processo de criação, evolução e desmanche da banda que atravessou gerações com um som que evoca a lisergia e as viagens etéreas de uma geração. Aliás, não existiria ninguém melhor para dar tal relato posto que o baterista foi o único músico presente em todos os encontros do Pink Floyd.

Apesar disso, quem espera fofocas sobre abusos de drogas e alucinações deve ficar decepcionado. O texto de Mason usa como trilho o som, a formação é o convívio dos músicos em shows, gravações e turnês. Mesmo quando o assunto é a espinhosa derrocada de Syd Barrett , afastado da banda por conta problemas mentais amplificados pelo abuso de LSD, o baterista não perde o rebolado e trata o assunto com frieza e uma ponta de remorso. Apesar dos longos capítulos que exigem tempo para a leitura, o livro ganha pelo texto pouco literário de Mason. Pelo contrário. Sua vida privada, interesse por corridas e reencontros com os amigos são materiais fartos de histórias curiosas que ele escreve com humor e uma pitada de cinismo. Pra completar, Inside Out ainda tem com mérito o fato do autor ter entrevistado seus companheiros de estrada e incluído um eficiente material fotográfico. Ou seja, é literatura obrigatória pra qualquer fã de rock.