Plínio Bortolotti

Uma correção para José Dirceu

Na postagem Um erramos para José Dirceu, comentei aqui o fato de o blog do ex-ministro ter afirmado que o jornal O Globo fora o único a publicar o relato do sepultamento, em Fortaleza, dos restos mortais do mortais do guerrilheiro Bergson Gurjão.

Acontece que O POVO, além de noticiar os fatos, fez um amplo caderno sobre a Guerrilha do Araguaia, produzido pela equipe Cláudio Ribeiro e Demitri Túlio [repórteres], Igor de Melo [repórter-fotográfico] e Valdir Gomes [motorista], que viajaram por vários dias pela região onde se deu o conflito. [Veja na postagem indicada.]

Na quinta-feira, o Blog do Zé Dirceu, fez a correção que reproduzo abaixo:

«Desculpas por um equívoco

Penitencio-me diante do equívoco cometido por meu editor aqui no blog ontem, no post sobre o sepultamento, em Fortaleza, dos restos mortais de Bergson Gurjão Farias, militante do PC do B, torturado e morto pela repressão da ditadura militar no Araguaia em 1972, quando tinha 25 anos de idade.

Na nota afirmei ter acompanhado o fato por O Globo e que este fora o único jornal a publicar o fato. Equivoquei-me. Também O POVO, da capital cearense, com o título “A guerra dos silêncios” havia publicado na véspera (06.10) um caderno especial sobre o assunto.

Em sua edição de ontem (07.10) e com o título “De volta para casa” o jornal cearense continuou no assunto publicando reportagem sobre o enterro dos restos mortais do Bergson, de acordo com reparação que me enviaram e conforme se pode ver acessando O POVO.

Escusas ao jornal cearense e a todos os outros que, por receberem material da Agência Globo, com certeza também noticiaram o sepultamento dos restos mortais do Bergson em sua terra.»

Recomendado para você