Ancoradouro

Guinadas

O pensador jesuita Teilhard de Chardin, sacerdote, paleontólogo e geólogo comparava a humanidade a um navio que em determinadas épocas da história dava uma guinada. Eram os períodos das grandes mudanças, entre as quais poderíamos citar a noogeneses, o surgimento da camada pensante segundo o Chardin.

Da mesma forma , faço aqui uma interpretação pessoal do pensamento acima citado, cada indivíduo em sua história pessoal precisa, em determoinados períodos dar uma guinada em sua existência. São ocasiões desafiantes, angustiantes, contudo, necessárias.

Mudar é um imperativo da condição humana e somos impelidos com frequência a matermo-nos nesta dinâmica. Quem não quer crescer,medra e diistancia-se deste modo de sua identidade. As provações, as tentações, as grandes escolhas são verdadeiros ancoradouros aos quais podemos por um momento deixar nosso barco para em seguida singrar numa grande guinada.

Recomendado para você

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 1 =